A Liberdade da Propulsão Humana


Pés e pedais
Foto de enyahs

A cidade nunca é uma só, são muitas. Para quem voluntariamente abriu mão de usar um automóvel particular como meio de transporte fazem já quase 2 anos, o ambiente urbano conhecido tornou-se outro.

Como diria Kevin Lynch em “A Imagem da Cidade”:

Todo o cidadão possui numerosas relações com algumas partes da sua cidade e a sua imagem está impregnada de memórias e significações.

Uma das principais conseqüências práticas de não ter carro e morar numa metrópole é conhecer as alternativas. A primeira delas é caminhar. Nem sempre a maneira mais eficiente e rápida de ir a algum lugar, mas certamente uma excelente maneira de voltar para casa. Todo andarilho é antes de tudo um pensador, haja vista a imagem do “flaneur” como o ser urbano por excelência.

Em um único dia, tendo apenas um único destino é possível utilizar-se de 4 meios de transportes distintos cada um deles com suas peculiariedades.

Pedalar até o metrô na hora do rush é antes de mais nada sentir a liberdade possível hoje a quem anda de bicicleta. Não existe engarrafamento e a cidade tem sempre o mesmo tamanho. Não há o trânsito parado que alonga distâncias.

Bicicleta é veículo que se empresta e depois de entregue a um amigo, a viagem continua através da maneira mais rápida de deslocar um grande número de pessoas, o metrô. Pausa para ler uma revista e antes que se torne enfadonha a leitura, estação de desembarque.


Os trilhos do Metrô
Foto de zeca rodrigues


A volta para casa foi através do transporte solidário. A boa e velha carona que nem sempre deixa na porta de casa. Bom motivo para uma bela caminhada noturna. É andando a pé que se pode ter, sem mediação, o contato por inteiro com a cidade. Prédios, plantas, a rua e calçada. Um passo de cada vez para conhecer e reconhecer cada metro.

Há uma cidade especial a ser descoberta por cada um que se dispuser a conhece-la.


Pés em Movimento
Foto de Cyrius

  • Mais
  • > Alguns trechos do Livro “A Imagem da Cidade” de Kevin Lynch.

    > O FLANEUR E A VERTIGEM (em pdf)
    Metrópole e subjetividade na obra de João do Rio

    > Georg Simmel autor de “A Metrópole e a Vida Mental”

    > Sobre flaneur
    Em inglês:
    Manifesto Flaneur
    Definição no Wiki para Flaneur

    Tags , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

    Um comentário para A Liberdade da Propulsão Humana

    1. Zaylin diz:

      Way to go on this essay, heepld a ton.

    Deixe uma resposta