Como Fazer Bicicletários

Underpass

foto: Urban Penguin

Um bom local para estacionar é condição fundamental para incentivar e valorizar o uso das bicicletas como meio de transporte diário.

Bicicletários bem construídos, contudo, precisam seguir certos padrões mínimos. Os manuais para estacionamento de bicicletas, da APBP-USA e Sustrans-UK, traduzidos pela TA, trazem recomendações que devem ser seguidas. O suporte precisa apoiar a bicicleta em dois pontos, permitindo também prender as rodas e o quadro. O bicicletário deve estar próximo da entrada do edifício, em lugar sinalizado, se possível coberto e bem iluminado.

A TA lança agora Bicicletários: diagramas para construção e instalação. Este manual é um conjunto de desenhos técnicos indicados como guia para o momento decisivo de escolher o melhor modelo e instalar o bicicletário da melhor maneira.

O guia, disponível em PDF, pode ser usado livremente, encaminhado para empresas, órgãos públicos e prefeituras. Solicitamos apenas que citem a fonte. O arquivo em versão vetorial, para edição de plantas-baixas, entre em contato.

Tags , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

5 comentários para Como Fazer Bicicletários

  1. Pingback:Como construir bicicletários | + Vá de bike! +

  2. Matias diz:

    É tão fácil fazer algo decente. Têm uns que até têm um teto, coisa bacana, um pouco de infra simples ajuda tanto, os poderes públicos deviam zelar também pelo bem estar das pessoas e fazer coisas que nos incentivem a pedalara ao inés de atrapalhar.

  3. Muito legal. O paraciclo em U invertido é o mais simples, mais versátil. Oferece uma segurança máxima. Vejo tantos bicicletários ruins, de encaixa de roda o que precisam suspender bicicletas. Quando não quebra as rodas, ou bicicletário quebra as costas ou impede as pessoas que não pegam peso de estacionar a bike etc… Uma situação bem patética… Traduzi um vídeo explicando porque fazer paraciclo em U invertido para mais segurança :http://vitoria-sustentavel.blogspot.com/2011/11/tecnica-para-prender-sua-bike-com.html

  4. Pingback:Bikefobia, entenda essa doença | O Bicicreteiro

Deixe uma resposta