Espaço Compartilhado na Floresta

Estrada Dona Castorina

Meca dos subidores de montanha, cariocas, as estradas Dona Castorina e da Vista Chinesa são rotas bastante utilizadas por ciclistas há muitos anos. As ladeiras íngremes em meio a Mata Atlântica dentro da Floresta da Tijuca atraem atletas amadores, profissionais e muitos turistas. O asfalto que corta a maior floresta urbana do mundo é um grande facilitador para que cariocas e visitantes possam desfrutar e aprender a valorizar esse espaço verde.

O movimento de ciclistas em todas as estradas da Floresta da Tijuca é intenso, a maioria deles está lá por esporte ou por lazer. Nos dias de semana o fluxo é menor, mas aos finais de semana fica bastante movimentado. Por ser uma via estreita de mão dupla e sem calçada, a Estrada da Dona Castorina e a da Vista Chinesa são necessariamente “espaços compartilhados”. No entanto esse conceito ainda é novo tanto para pedestres e ciclistas, quanto principalmente para os motoristas.

A velocidade máxima permitida nas estradas dentro do parque sempre foi de 40km/h ainda que ocasionalmente desrespeitada. A falta de sinalização indicando a presença de ciclistas e existência da faixa divisória de pista, favoreciam um deslocamento mais livre para os automóveis. Para promover a segurança viária e ordenar o uso desse espaço compartilhado, a prefeitura optou por instalar uma nova sinalização horizontal e vertical. Inicialmente serão demarcados os 7,5km do Horto até a Gávea Pequena. Felizmente, a direção do Parque já pediu à Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) que a sinalize todas as áreas do Parque Nacional da Floresta da Tijuca.

Tags , , , , , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

6 comentários para Espaço Compartilhado na Floresta

  1. Acredito que a tal placa “PISTA COMPARTILHADA” poderia ser maior, e com este título MUITO MAIOR… da forma que está, a sinalização parece dizer, “OLHE, TEM CICLISTA AQUI, E ELES ESTÃO PELO CANTINHO DA RUA… PODE CORRER NA PISTA QUE ELES SE ENCOLHEM PARA VOCÊ PASSAR!”… Se é para informar que a pista é compartilhada, DEVERIA TER OUTRO FORMATO, retangular, em cima com os dizeres GRANDES: “PISTA COMPARTILHADA” e embaixo 3 figuras distintas e sem RELAÇÕES de espaço: um HOMEM (PEDESTRES!) uma bicicleta e um carro, NO FINAL, para que o motorista ENTENDA, que a prioridade não é dele! E como existe um risco de vida dos pedestres e dos ciclistas, e o ATENÇÃO precisa ser seguido á risca, a placa DEVERIA SER VERMELHA! Será que não falta um pouco de bom senso no povo da sinalização não? Ou seria preguiça mesmo!

  2. RC diz:

    Já freqüentei muito a floresta, mas faz tempo que não vou lá, por razão de distância geográfica (1.150 km). Não consegui entender muito bem o que mudou na essência, pois, pelo que me lembro, já existia a demarcação da faixa para pedestres (e ciclistas).

    De qualquer modo, espero que os governos continuem abrindo (ou clareando) caminhos para as bikes, e não só na ZS e pontos turísticos, mas também na ZN e nos demais subúrbios.

  3. zelobo diz:

    Oi RC,
    Na essência nada mudou, o espaço já era compartilhado, a velocidade jjá era 40 e o local sempre esteve cheio de ciclistas.
    A sinalização que já existia era do Parque e não da Prefeitura.
    Agora ao contrario do que disse o Rogério, lá em cima, ficou mais seguro para ciclistas e pedestres, a sinalização aplicada, que segue padrão internacional, dá mais visibilidade ao que já se passa por ali, a nova linha divisória ordena melhor o trafego motorizado de forma que naqyela pista sinuosa sua velocidade naturalmente cairá
    O que mudou foi que agora o ciclista está mais seguro, está em destaque e também nos mostra que a Prefeitura esta encarando as bicicletas com seriedade.
    Faz muitos anos que os ciclistas pedem algo assim por ali.

  4. zelobo diz:

    Complementando, a maioria dos novos projetos estão voltados às Zonas Norte e Oeste.
    Naquele trecho não havia nada demarcado, o que já existia era apenas dentro da Floresta no Alto da Boa Vista.
    http://www.ta.org.br/site/pop1.htm#16

    Abs

  5. zelobo… se a sinalização é aquela que se vê na foto para avisar sobre a pista compartilhada, padrão internacional ou não, é insuficiente. Ademais, desde quando o CTB segue algum padrão internacional de sinalização. Cada país tem um conjunto de sinais próprios. Aquela placa com letrinhas miúdas escrevendo PISTA COMPARTILHADA só funciona para os ciclistas. E estes não são os causadores dos problemas. Eu, “macaco velho” estou bem acostumado a entender que se não estiver em letras garrafais -- idiot-proof -- não entra na cabeça de quem usa! Acho discreto demais, coisa de primeiro mundo. Acredite que se tivesse o DOBRO do tamanho ainda não ia fazer muita diferença. É cultural!

  6. Como frenquentadora do local acho que a sinalização é o mínimo que nós ciclistas merecemos. A velocidade é constantemente desrespeitada por parte dos motoristas colocando em risco os muitos ciclistas e corredores que ali treinam. Penso que nos finais de semana o tráfego de veículos motorizados deveria ser controlado/impedido.

Deixe uma resposta