Cães, bicicletas e o cavalo-vapor

O mais famoso site de leilões no Brasil é uma boa maneira para conhecer o que está disponível no mercado de bicicletas, mas funciona também como fórum de debates sobre produtos e outros assuntos.

Um anúncio simples com uma única foto. Uma bicicleta nacional com suspensão dianteira e traseira, paralamas e bagageiro. E nas palavras do anunciante: “pronta para sair pedalando depois da compra”. No espaço para perguntas, algumas ofertas de troca e uma saltou aos olhos:

Amigo, tenho um cachorrinho shi tzu com pedigree, preto e branco com 60 dias, vacinado e vermifugado, que vale mais ou menos $700. Te interessa fazer esta troca?

A resposta dada pelo vendedor discorre sobre algumas incongruências da nossa sociedade em relação ao tratamento com os animais.

Amigo, animais são criaturas sencientes e não mercadorias. Esse filhote merece ter uma vida digna. Você me ofereceria uma criança por R$ 700? Então como oferece um cão? Do ponto de vista ético (e não jurídico ou cultural), qual a diferença? Aliás, será que há uma diferença de fato? Será que essa diferença não foi inventada? Ou só porque todo mundo faz está correto? Vou lhe dar um conselho: se não quiser ficar com ele, doe o cachorrinho para alguém que lhe inspire confiança, alguém que não vá abandoná-lo ou negociá-lo sob hipótese alguma. Não utilize como critério de escolha a disposição em pagar algumas centenas de reais por um ser capaz de sentir dor e expressar emoções. O abandono de animais em São Paulo é altíssimo, e as ruas – pode apostar – são um péssimo lugar para se sobreviver… Desculpe a franqueza, mas você tocou num princípio nevrálgico da minha ética. Boa noite e muita paz para você.

Rever o conceito das cidades em que vivemos também é repensar a maneira com que nos conectamos a outras formas de vida que habitam esse mesmo planeta. Antes da invenção da carruagem sem cavalos que hoje domina nossas ruas, dois graves problemas nas grandes cidades eram os dejetos de animais e as carcaças dos mortos. Trocamos cavalos de carne e osso pelo “cavalo-vapor”. Com isso os cães que perambulavam nas ruas com tranquilidade hoje encontram-se apenas nas periferias com menos trânsito motorizado ou em pequenas cidades.

A cena de abertura do clássico “Meu Tio” de Jacques Tati retrata esse momento histórico em que as cidades tornaram-se menos amigáveis com os vira-latas e mais convidativas as carruagens movidas a cavalo-vapor.

Relacionados:
Velha Mobilidade
Planejar uma cidade global
Frágeis Criaturas
Ferramentas Urbanas

Mais:
O anúncio da bicicleta

Tags , , , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

3 comentários para Cães, bicicletas e o cavalo-vapor

  1. panoptico diz:

    Bela resposta a do vendedor!

  2. Juliano diz:

    tive que pegar o dicionário
    senciente: que sente ou tem sensações, sensível

    olhem essa fotografia de Jacques Tati:
    http://www.boston.com/ae/movies/blog/tati-lg.jpg

    muito boa

  3. Bruno Castro diz:

    crio duas llasa -- Beatriz e Maria Luiza. São lindas, divertidas, adoram passear e vão soltas. Tiram foto com as crianças, tomam água de coco, tomam banho de mar, andam de carro, viajam, passeiam de barco, dormem com a gente, sentam à mesa em restaurantes, as crianças fazem carinhos. Sou provedor delas junto com minha esposa. Provemos carinho, conforto, não me importo com o que gasto anualmente, provemos liberdade e alegrias mútuas.

Deixe uma resposta