Domingo de sol e esperança

Bicicleta com asas

São Paulo tem muitas frentes a serem conquistadas, muitas bordas a serem comidas e muita qualidade de vida a ser devolvida para seus moradores. A ciclofaixa de lazer tem 5 quilômetros de extensão, pode parecer pouco, mas só parece.

Basta sair para as avenidas em um domingo de sol e sentir o que acontece quando as pessoas tem a oportunidade de desfrutar da cidade. O sol estava forte, mas isso não foi tão importante. Quem esteve lá viu o que sempre acontece e nunca se repete. Uma senhora que pede ajuda para calibrar o pneu da bicicleta velha que estava encostada. Os pneus ressecados pelo tempo que voltam a girar. Ao mesmo tempo, duas jovens moças com dobráveis novas em folha passeiam. Óculos de sol, saias ao vento, não se vê nelas traço de esporte, apenas a interseção do transporte com o lazer.

Os mais atentos, que por ventura fiquem parados, por um instante, na subida da Hélio Pelegrino irão reparar na alegria dos que descem e no esforço dos que sobem. Ladeira acima, pequenas e grandes conquistas. O homem que incentiva a mulher voltar sempre para dimiuir o tempo do trajeto. E a pequena esposa baixinha e aparentemente frágil que já no final da subida lança um sorriso para seu companheiro. Sem palavras, transmite a felicidade que só a superação conquistada pelas próprias forças é capaz. E mesmo aqueles, solitários quando chegam ao cume, não disfarçam. Alguns, mais cansados, empurram. O importante é ir devagar, mas sempre.

Ladeira abaixo, a criança, com o freio duro daquela bicicleta que estava esquecida na garagem esforça-se para não ir rápido demais. Ciclistas confiantes, descem em um vôo rasante. Quase tem asas, mas a borracha sempre no asfalto. Descer é também um arte, que se aprende aos poucos.

Pedalar em São Paulo hoje, já é melhor do que ontem. Mas na segunda-feira, a cidade precisa voltar ao trabalho e seguir galgando espaço para as pessoas. Toda vez que eu pedalo na ciclofaixa eu acalmo meu coração em relação ao futuro de São Paulo. Ou como disse H. G. Wells:

Toda vez que eu vejo um adulto em uma bicicleta, eu deixo de me desesperar quanto ao futuro da raça humana

Relacionados:
As primeiras cinco horas
Lazer por uma cidade mais humana
Domingos a mais
Relato de um novo ciclista

Tags , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

Deixe uma resposta