O direito inalienável de se desengarrafar

Ciclofaixa
ci38, Foto de www.transitoaovivo.com.

Uma das graves distorções que tem acometido nossos cidadãos é confundir a mobilidade individual motorizada com um direito. Ir e vir é sim um preceito constitucional. Ir e vir de carro, não.

Moema tem as condições ideais de ser um bairro modelo para uma nova São Paulo. Ruas tranquilas e largas que seguem paralelas as grandes avenidas. O compartilhamento entre veículos motorizados e bicicletas nas vias internas do bairro é uma abordagem interessante para facilitar os deslocamentos e diminuir os congestionamentos constantes.

Um plano modelo de circulação de bicicletas, desenvolvido pela TCUrbes, está sendo analizado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e uma notícia já saiu nos jornais. Da reportagem entitulada “Projeto põe ônibus e bicicleta na mesma faixa“, surgiu a polêmica em relação as futuras ciclofaixas de Moema.

A viabilidade e vantagens da bicicleta já tem sido comprovada aos domingos. Há exatamente um ano, a ciclofaixa de lazer ajudou a impulsionar o fluxo de ciclistas. Alguns aproveitam para repor energias nos restaurantes ao longo do trajeto e tem até concessionária de automóveis que oferece água para chamar a atenção dos “ciclistas-consumidores”.

Durante apenas 7 horas na semana, ciclistas já começaram a impor uma pequena revolução. Trata-se de uma transformação na circulação, mas principalmente uma melhoria na qualidade de vida dos moradores e da cidade.

Mais bicicletas circulando, também durante a semana, irão garantir a construção de uma cidade com mais qualidade de vida, com um trânsito mais amistoso. Uma cidade na qual comerciantes poderão ter mais espaço para seus produtos ao invés de lojas funcionando como ilhas de prosperidade cercadas de carros por todos os lados.

É preciso coragem dos administradores e dos técnicos de trânsito para implementarem mudanças. Mas também é preciso informar com clareza o caminho que se pretende tomar. Assim a oposição as soluções alternativas poderão ser transpostas com mais facilidade.

Foram décadas para sufocar a cidade em engarrafamentos sem fim. Serão mais alguns anos para que se construa um trânsito livre e é esse o direito inalienável pelo qual todo paulistano, de nascimento ou por adoção, deve lutar. Sem distinção de bairro ou condição social, o ir e vir é inalienável e políticas que facilitem o fluxo de pessoas em bicicleta irão beneficiar a todos.

Outras opiniões:

“Por que punir Moema com ciclovia ?”
Campanha: PUNAM O MEU BAIRRO
How bike lanes and sharrows are born in Pittsburgh

Relacionados:
Espaço público em debate
Mais espaço para a circulação
Uma Solução Pronta
Fatores Objetivos para Construção de Ciclovias

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

2 comentários para O direito inalienável de se desengarrafar

  1. A transformação cultural que a ciclofaixa causou na cabeça dos gestores de vcs, alimentou esta nova iniciativa em Moema. Espero que isto amplie a revolução na mobilidade de Sampa. Os gestores de Recife costumam se espelhar muito nos daí, mas do que nos do Rio, que sempre têm um viés mais relaxado, mais carnavalesco. Como se cicloinfraestrutura fosse resultado de algum “auê” momentâneo e não uma tendência mundial. Espero que nesse espelhamento, nossos gestores acordem para as soluções não centradas nos carros e acreditem que “peitando” o status quo carrocrático, estamos na verdade melhorando a mobilidade e a vida de todos! Quem tiver um pingo de percepção, vai gostar muito!

  2. realmente uma bicicleta é muito boa por que ela nos ajuda muito na nossa saude e sem falar que ela nos tira do tranzito eu adoro uma bicicleta por que com ela estamos preservando o meio ambiente.
    obrigada pela noticia

Deixe uma resposta para pensamentos Cancelar resposta