Rede de apoio às bicicletas públicas

O sistema de bicicletas públicas “BikeRio” é um sucesso estrondoso com milhares de viagens de bicicleta pelas ruas e ciclovias cariocas. Muitos desses ciclistas são novatos e muitos outros ainda não pedalam pela falta de infraestrutura segura de circulação para as bicicletas.

A malha cicloviária carioca tem aumentado bastante, até o final de 2012 a cidade terá mais de 300km para pedalar com tranquilidade, mas a demanda reprimida ainda é grande. Principalmente por parte dos usuários das bicicletas públicas, as famosas laranjinhas. Para ajudar a equacionar essa questão e atender uma demanda dos ciclistas e da própria cidade, a Transporte Ativo, em parceria com o Banco Itaú, está realizando um levantamento chamado de: “Rede Cicloviária da apoio às Estações Bike Rio”. Nele mapearemos as melhores rotas entre todas as estações do sistema.

São no total 60 microrredes que levam em consideração as “rotas de desejo” dos ciclistas que já utilizam as laranjinhas, somadas elas formam a rede completa de apoio ao sistema. As microrredes passam por ciclovias, ciclofaixas, ruas de Zona 30, um roteiro completo que ao mesmo tempo que ajuda aos ciclistas, municia os técnicos da Prefeitura para que possam ser feitos melhoramentos cicloviários que beneficiarão todos os cariocas. Afinal cada bicicleta a mais que circula ajuda a aliviar a pressão por viagens no transporte público e nos automóveis particulares.

Tags , , , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

4 comentários para Rede de apoio às bicicletas públicas

  1. Rafael diz:

    esse post me foi muito amis do que util!! muito obrigada e viva o acesso e a facilitação das vias pra os ciclistascariocas.
    grande abraço!!

  2. Muito bacana, muito bonito, mas isso não daria certo em outros lugares. Vejam bem, o Rio de Janeiro é uma cidade pequena e sem nenhuma ladeira.
    E lá também não faz calor.

  3. Claudio diz:

    Belo trabalho! Sugiro usar indicadores para que daqui a 1 ano, ou mais, possam mostrar os resultados positivos aos incrédulos que só enxergam números.

Deixe uma resposta