Ciclorrotas de construção coletiva

O ano de 2012 tem eleições para prefeito Brasil afora, época de debates, propostas e promessas. Como forma de pressionar o próximo alcaide a estruturar uma rede cicloviária no centro da cidade, ciclistas cariocas se uniram para construir um plano completo de ciclorrotas cruzando toda a região central, uma rede que integra os bairros centrais e ao mesmo tempo une a Zona Sul à Zona Norte.

Com aproximadamente 22% do total de quilômetros da malha cicloviária, a Zona Sul foi pioneira com as primeiras ciclovias segregadas tendo sido concluídas no início dos anos 1990. Hoje a região tem uma malha diversificada, com ciclovias, faixas compartilhadas com pedestres, ciclofaixas, além de muitos quilômetros de Zona 30.

A Zona Norte do Rio até pouco tempo atrás contava apenas com a ciclovia ao redor do estádio do Maracanã. Essa malha tem crescido. No entanto entre a Zona Sul e a Zona Norte, o centro do Rio de Janeiro não tem qualquer infraestrutura cicloviária.

Para além do cicloativismo, a proposição de um plano estruturado é uma maneira eficiente de municiar os técnicos da administração municipal para que eles possam ter subsídios para aumentar a malha cicloviária. Uma estratégia que independe dos humores políticos e que se constrói para além do calendário eleitoral.

Veja outras iniciativas semelhantes na Tijuca e na Ilha do Governador.

Tags , , , , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

2 comentários para Ciclorrotas de construção coletiva

  1. paulo diz:

    Como a gente faz para colaborar com estas "ciclorotas de construção coletiva" do Centro? Vou trabalhar de bicicleta e gostaria de colaborar.

  2. Muito bacana. Aqui em Vitória estou precisando agregar pessoas para poder desenvolver um trabalho colaborativo. Por enquanto trabalho sozinho nessa empreiteira em Vitória. http://vitoria-sustentavel.blogspot.com.br/2012/03/ciclovia-rotas-alternativas.html

Deixe uma resposta