Por uma agenda política federal em favor da bicicleta

A Transporte Ativo não manifestou apoio a “Carta Compromisso com a Mobilidade Ciclística” elaborada pela UCB – União de Ciclistas do Brasil. Ainda há tempo para conseguir o compromisso dos dois postulantes que chegaram ao segundo turno, mas enquanto a eles ainda é possível assinar a carta, nós continuaremos sem apoiá-la.

Questionamos a carta em si. Nada mais é do que um papel. Mesmo que todos os candidatos e candidatas assinem e a candidatura vencedora não cumpra os pontos elencados, a própria fraqueza dos movimentos nacionais em prol da bicicleta (do qual fazemos parte), não terá força, nem voto, para impor sanções ou pressão relevante. Existe, claro, o valor simbólico da iniciativa, o peso moral etc. Mas com o voto na urna, no dia a dia da política pós-eleitoral símbolos dessa natureza valem pouco.

Nossa jovem democracia ainda tem dificuldades de fazer com que políticos eleitos cumpram os programas de governo registrado nos tribunais. Os compromissos e realizações se constroem mais em torno do que é possível ser feito, de alianças legislativas e menos ao redor de programas discutidos com a sociedade e posicionamento ideológico dos partidos.

Acreditamos que os esforços de uma campanha com data para acabar podem ser mais efetivos se forem aplicados em outras iniciativas. Afinal, ainda somos pouco numerosos e precisamos ser sempre como a bicicleta, leves e eficientes. Em quase 11 anos de atuação a TA nunca falou com nenhum prefeito, nem nunca pediu ou cobrou nada deles diretamente, mas sempre municiamos seus técnicos com informação, sugestões, soluções. Essa é nossa maneira de ser.

Depois de compartilharmos nosso posicionamento com a atual administração da UCB, recebemos como resposta uma emocionada defesa de uma agenda política federal em favor da bicicleta. Reproduzimos a versão editada do texto, e seguiremos firmes para somar ao trabalho tão necessário da União de Ciclistas, da qual fazemos parte desde antes da sua fundação e que continuaremos a fazer parte enquanto for necessário ter mais pessoas em mais bicicletas mais vezes Brasil afora.
A resposta da UCB à Transporte Ativo

Cada entidade é autônoma e tem o direito de pensar diferente em pontos específicos e, mesmo assim, continuar fazendo parte do conjunto por concordar no geral. Assim é na vida e na política. Quem não concordar com essa campanha não tem a obrigação de apoiá-la e não será cobrado quanto a isso.

A proposta de Carta Compromisso foi feita e aprovada pela UCB e estamos dando encaminhamento a ela. Como eu encontrei, por parte de alguns, inclusive empolgação com esta campanha, acabei dando mais de mim do que o bom senso permitiria. Temos muita discussão acumulada desde o que botamos a Carta na rua, que pode ser resgatado na comunicação interna entre os associados, discussão esta que já justifica tal iniciativa.

Eu não tenho ilusões (e penso que poucos a têm) quanto ao efetivo cumprimento de compromisso por parte de qualquer candidato que venha a assina-la. Não obstante, se por um acaso quem assinar ganhar a eleição, isso poderá pelo menos servir de gancho para um diálogo futuro.

Mas também a campanha da Carta é uma oportunidade de colocar a bicicleta em uma mesa de debates que se abre a cada 4 anos (ou a cada 2, incluindo as eleições municipais).

É um diálogo com a sociedade, com outras ONGs, com a imprensa, tentando chegar também na grande massa de ciclistas que desconhecem os seus direitos e as tecnologias e as políticas para lhes incluir na vida urbana.

Também é um esforço de síntese e de autoclareamento para nós próprios ciclioativistas, que somos muitos e nem sempre consensuais, sobre o que queremos. E ali estão 14 propostas, redigidas em conjunto e que ora contam com a assinatura de três candidatos no primeiro turno (Luciana Genro, Eduardo Jorge e Marina Silva) e o apoio de 12.176 cidadãos (no abaixo-assinado), de 65 entidades (da sociedade civil, trabalhistas e empresariais) e de 79 candidatos ao legislativo (ao senado e às câmaras de deputados estaduais e federal) de todos o Brasil. É claro, há problemas e limitações, mas é o melhor que tivemos desde a fundação da UCB, o que significa uma enorme evolução.

A bicicleta vem crescendo na sociedade – resultado de nossos próprios esforços – e cabe a nós qualificar o debate, apresentar análise com profundidade, fazer a crítica, colocar as coisas nos seus devidos lugares. Se nós não o fizermos, quem o fará por nós?

Haverá oportunismos por parte dos candidatos, como sempre houve, mas pelo menos nossa posição está colocada, ao invés de deixarmos o campo de debate descoberto. Como somos pequenos (estamos lá no cantinho, espremidos), nossos pronunciamentos geralmente não são notados. Só que também sentimos o mesmo quando pedalamos em via pública, espremidos por carros e caminhões, mas nem por isso nos reservamos ao papel que querem nos relegar e botamos a bicicleta na rua.

E esta é uma das formas de deixarmos de ser invisíveis. Nos pronunciando e aumentando nossa quantidade, tanto nas ruas quanto no cenário político, o que também é uma maneira de contribuindo para a construção de uma verdadeira democracia. Nossa situação já foi bem pior, mas, penso, há de melhorar através de intervenções como a Carta.

Sobre a atuação junto aos técnicos do poder público, eu fico feliz que isso seja possível em algumas cidades. Mas essa situação não é realidade na grande maioria das cidades brasileiras – portanto ali deve-se buscar também outros métodos. No caso da UCB, que quer atuar junto a ministérios, o problema é ainda maior.

Parece que pedalamos morro esburacado acima com uma bicicleta sem marchas e com os pneus murchos, mas é importante fazer aquilo que acreditamos que vai melhorar a vida do ciclista e que também vai melhorar a nossa própria atuação. Só saberemos se dará certo tentando. A UCB tem pouca experiência de atuação, e é só atuando que vamos corrigir nosso ritmo e nossa direção.

Cada um fazendo o que pode e tentando somar para contribuir com o todo. E aprendendo a fazer isso conjuntamente.

Eu tenho dito que não eu não agradeço os apoios e auxílios para a UCB, pois quem deve agradecer é o próprio ciclismo, a democracia, o planeta Terra.

Portanto, como ciclista, como democrata e como terráqueo sou um dos que agradece seu apoio e o da TA à UCB.

cordial abraço,

andré soares

Tags , , , .Adicionar aos favoritos link permanente.

Deixe uma resposta