A volta do IMC

1 1 2 3 4Em 2008 iniciamos uma série de seminários denominados Introdução ao Mundo Cicloviário, para servidores municipais do Rio de Janeiro, com foco principal nas Secretarias de Transporte, CETs e Guarda Municipal, o curso se repetiria por 10 vezes nos meses seguintes. Logo em seguida, fomos convidados pelo ITDP e C-40 para realizar o mesmo curso para servidores da cidade de São Paulo, onde foram realizadas 8 rodadas. Algo em torno de 350 servidores passaram pelo seminário em cada uma das duas cidades. Hoje alguns dos resultados que encontramos nas ruas contam com a informação e conhecimento adquiridos por estes técnicos.

CET SP1 6 1

Ainda em 2008, na primeira edição do Bicicultura Brasil em Brasília, fizemos um treinamento para diferentes grupos e organizações, para que pudessem replicar o seminário em suas cidades e ele pudesse se espalhar pelo país.

2008 11 12 15 Bicicultura 713

Em 2009 foi a vez de ir pra Holanda, a convite da organização local ICE – Interface for Cycling Expertise, para realizar o treinamento para 12 organizações de 9 países de 3 continentes, visando ampliar a aplicação do seminário e sensibilizar, conscientizar e mudar comportamentos.

http://i1.wp.com/www.ta.org.br/blog/imcnl.jpg?w=800

A experiência se estendeu até 2011 e agora em 2016, retorna e avança em direção a 2017 com novas edições em diferentes cidades brasileiras, desta vez em parceria com a Plataforma de Mobilidade Itaú. Já estivemos em Salvador na Bahia; Maceió em Alagoas, Fortaleza no Ceará e a previsão é seguir em frente, apresentando o potencial da bicicleta para servidores municipais, sendo que o foco agora são todas as secretarias possíveis.

3507

O seminário visa promover os benefícios e o potencial das bicicletas entre servidores públicos, apresentando a eles o caminho que as bicicletas percorreram do Século XX até os dias atuais, os motivos que a levam a se destacar nesse inicio de século, as tendências em urbanismo e mobilidade e a importância do diálogo entre secretarias e principalmente com as organizações e grupos de ciclistas locais, para uma melhor compreensão de seus anseios e necessidades, buscando assim um planejamento cicloviário mais eficiente e de melhor qualidade.

fortaleza-3

 

Adicionar o link permanente.

Deixe uma resposta