Novo Site

Este blog/site encerra suas atividades aqui.

Todo o conteúdo permanecerá disponível, nos mesmo endereços, mas nenhum material será acrescentado a partir de 1º de Dezembro de 2016.
O acesso ao novo site e novos conteúdos, será pelos mesmos endereços anteriores, clicando aqui, ou na imagem abaixo.

9

Se você é assinante, assine novamente lá.

Obrigado!

ta__

 

Novo Site TA

Em 2005 lançamos uma pagina estática, praticamente uma cartão de visitas online, para garantir o endereço e abrir um primeiro canal de contato.

a

No inicio de 2006, lançamos o site TA.

1

Já com muitas das seções existentes hoje, pouca coisa própria ainda, pois tínhamos apenas alguns anos de vida.

Em 2007 lançamos o Blog! Uma nova era pra TA!

2

Site e blog corriam paralelos e em 2008 mudamos o site para ter ali dentro uma chamada pro blog e colocamos no blog uma chamada pro site.

Eles começavam a interagir

3

Como começávamos a ter conteúdo próprio em quantidade, separamos também em duas partes, TA e Banco de Dados.

Para que o usuário pudesse acessar um só local e ali escolher pra onde ia, em 2008 lançamos uma pagina mãe.

4

Que em 2009 cresceu para melhor atender os usuários.

5

Pra facilitar ainda mais, ganhou uma caixa de busca!

6

Em 2011 veio então um novo blog, já dentro de nosso servidor mas ainda a parte do site.

7

Uma nova era começava a surgir, mas site e blog ainda não estavam integrados.

Eis que em 2013 unificamos ambos em um só local e levamos o site pra dentro do Blog.

8

Agora, final de 2016 invertemos as coisas, levamos o blog pra dentro do Site que vem aí totalmente repaginado, no visual e nos bastidores.

Todos os links e arquivos foram checados, atualizados, otimizado, links concentrados para facilitar as buscas e tem até uma pesquisa para usuários.

Todos os posts do  antigo blog foram importados, assim como todo o conteúdo, após revisão geral.  Ou seja todo o material antigo, inclusive o próprio blog atual, permanecerão disponíveis para que antigos links não se percam.

9

O novo site/blog já está no ar em ta.org.br visite e participe da pesquisa.
Aguardamos vocês lá!

Se você é assinante do blog, acesse o novo endereço e assine novamente, pois este é o último post neste endereço, que ficará disponível apenas até o dia 30 de novembro.

Saudações pedalantes,
Equipe TA

 

A volta do IMC

1 1 2 3 4Em 2008 iniciamos uma série de seminários denominados Introdução ao Mundo Cicloviário, para servidores municipais do Rio de Janeiro, com foco principal nas Secretarias de Transporte, CETs e Guarda Municipal, o curso se repetiria por 10 vezes nos meses seguintes. Logo em seguida, fomos convidados pelo ITDP e C-40 para realizar o mesmo curso para servidores da cidade de São Paulo, onde foram realizadas 8 rodadas. Algo em torno de 350 servidores passaram pelo seminário em cada uma das duas cidades. Hoje alguns dos resultados que encontramos nas ruas contam com a informação e conhecimento adquiridos por estes técnicos.

CET SP1 6 1

Ainda em 2008, na primeira edição do Bicicultura Brasil em Brasília, fizemos um treinamento para diferentes grupos e organizações, para que pudessem replicar o seminário em suas cidades e ele pudesse se espalhar pelo país.

2008 11 12 15 Bicicultura 713

Em 2009 foi a vez de ir pra Holanda, a convite da organização local ICE – Interface for Cycling Expertise, para realizar o treinamento para 12 organizações de 9 países de 3 continentes, visando ampliar a aplicação do seminário e sensibilizar, conscientizar e mudar comportamentos.

http://i1.wp.com/www.ta.org.br/blog/imcnl.jpg?w=800

A experiência se estendeu até 2011 e agora em 2016, retorna e avança em direção a 2017 com novas edições em diferentes cidades brasileiras, desta vez em parceria com a Plataforma de Mobilidade Itaú. Já estivemos em Salvador na Bahia; Maceió em Alagoas, Fortaleza no Ceará e a previsão é seguir em frente, apresentando o potencial da bicicleta para servidores municipais, sendo que o foco agora são todas as secretarias possíveis.

3507

O seminário visa promover os benefícios e o potencial das bicicletas entre servidores públicos, apresentando a eles o caminho que as bicicletas percorreram do Século XX até os dias atuais, os motivos que a levam a se destacar nesse inicio de século, as tendências em urbanismo e mobilidade e a importância do diálogo entre secretarias e principalmente com as organizações e grupos de ciclistas locais, para uma melhor compreensão de seus anseios e necessidades, buscando assim um planejamento cicloviário mais eficiente e de melhor qualidade.

fortaleza-3

 

Ampliando o conhecimento sobre o uso da bicicleta nas cidades da América Latina

ruedalab

A Transporte Ativo esteve presente no primeiro Congresso de Ciclismo Urbano da América Latina, chamado “Ruedalab.” O congresso teve foco academico e aconteceu nos dias 7 e 8 de novembro em Bogotá, Colombia.

A Transporte Ativo foi representada no congresso através de dois dos 32 trabalhos seleicionados para serem apresentados no cogresso. Jonas Hagen, colaborador da TA, apresentou um trabalho sobre a pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro”, que incluiu como co-autores o Zé Lobo e a Gabriela Binatti da TA. Esses últimos também foram co-autores de outro trabalho chamado “Avaliação da inclusão da bicicleta nos planos de mobilidade urbana de cidades brasileiras”, uma projeto em parceria entre TA, Bike Anjo e UCB,  apresentado no cogresso pelo diretor da UCB Guilherme Tampieri.

Jonas Hagen explica o trabalho sobre a Pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro na sessão de posters

Jonas Hagen explica o trabalho sobre a Pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro.

Outros destaques do congresso icluiram:

  • Uma apresentação sobre redes para bicicletas “de baixo estress” (“low stress”) pesquisadora estadounidense Jennifer Dill, que mostrou como as redes com velocidades e volumes baixos de trânsto motorizado ou com ciclovias protegidas podem atrair novos usuários e em especial mulheres, ciranças e idosos;
  • Um programa inovador da Secretaria da Mulher da Cidade de Bogotá, chamado “safetipin” (“agulha de segurança”) que permite que as usuárias da bicicleta indentifiquem lugares na rede cicloviária aonde não se sentem seguras através do GPS de smartphones, apresentada pela secretaria Cristina Vélez Valencia;
  • Dados da pesquisadora bogotana Olga Lucía Sarmiento sobre as ruas de lazer dos domingos e feriados de Bogotá, que mostram que o 56 % das mulheres que andam de bicicleta nesses eventos disseram que as ruas fechadas ao trânsito motivaram elas a usarem a bicicleta, contra 45 % dos homens que disseram a mesma coisa.
Um membro de uma organização civil pro-bicicleta de Bogotá fala com participantes do congresso num dos intervalos do congresso

Membro de uma organização civil pro-bicicleta de Bogotá fala com participantes do congresso num dos intervalos.

A pesquisa academica é muito importante para ampliar o conhecimento do uso da bicicleta nas cidades da América Latina em geral e no Brasil em particular. Os trabalhos rigorosos do ambiente acadêmico também resforçam os esforços do poder público e das organizações da sociedade civil que procuram aumentar o uso da bicicleta e melhorar as redes cicloviárias. Por isso a TA teve orgulho de participar deste evento e espera participar de outras edições futuras do congresso Ruedalab.

 

Carvelo* Camp 2016

a

Carvelo Camp 2016, em Berna capital da Suiça, evento realizado pela organização local Mobility Academy que trabalha com desprivatização: shared mobility e desmotorização, embora aceitem elétricos.

Estivemos lá, representados pelo Bike Anjo JP Amaral, onde apresentamos as bicicletas de carga no Rio de Janeiro. O assunto é sempre uma surpresa empolgante para os europeus, que ficam entusiasmados com a diversidade do tema por aqui. As principais questões deles para o exemplo do Rio foram: Segurança viária; entrada de outros modelos de triciclos e bicicletas, principalmente elétricos; e se olimpíadas ajudaram em alguma coisa para as cargo-bikes no Rio.

Na cidade de Berna, assim como Paris e outras cidades europeias, existe um programa de incentivo para aquisição de cargobikes em empresas. A prefeitura local já substituiu 61,3% de sua frota de carros e caminhões por bicicletas cargueiras. Com o objetivo de elevar a divisão modal por bicicleta para 20% até 2030 eles tem o lema “Velo-Offensive” (bicicleta Ofensiva) e usam como estratégia participação popular, cultura da bicicleta especialmente com crianças e novas infraestruturas focadas em qualidade e não em quilometragem como costumamos encontrar por aqui.

b

Cargo-bikes estão cada vez mais se integrando a empresas de tecnologia de última geração na área de logística, pois a bicicleta é o veículo que chega mais próximo da rapidez da internet, permitindo fornecer serviços de entrega para compras online em até 1 hora ou no mesmo dia. Cargo-bike sharing, sem estações, no estilo “Book and Ride” com a proposta de servir como experimentação para famílias e pequenos negócios e diversas novas empresas e modelos de bicicletas começam a surgir.

O conceito de e-cargo bikes (bicicletas de carga elétricas) vem para substituir carros, em especial para famílias com filhos. Palestrantes mencionaram por diversas vezes que o futuro é elétrico, mas o exemplo do Rio caiu muito bem para alertá-los que seria péssimo o Brasil ser elétrico, uma vez que a maioria das bicicletas de carga por aqui já são energia 100% limpa e sustentável.

c

Enquanto que na Europa, a busca pela promoção do uso comercial de bicicletas de carga é um desafio em andamento. Lá elas ainda são um item ainda bastante familiar: em Copenhage 25% das residências tem uma cargo-bike. Já no Brasil elas são uma tradição para uso por pequenos comércios, com registros dos anos 30 no Rio de Janeiro e hoje os números são surpreendentes.

O nosso recado final no evento em Berna foi que a bicicleta de carga no Rio já é existente e uma ótima forma de trazer mais pessoas em bicicletas em bairros de alta densidade. No entanto, agora é necessário dar o devido reconhecimento e formalização a esse forte setor que contribui para a economia e sustentabilidade das cidades.

 

Para os que entendem alemão, a apresentação pode ser vista aqui.
Para os demais, os arquivos que deram origem a apresentação abaixo.

Estabelecimentos Comerciais com Entregas por Bicicleta em Copacabana;
Estabelecimentos Comerciais com Entregas por Bicicleta em 9 Bairros do Rio;
Os Benefícios dos Veículos de Carga à Propulsão Humana

*CarVelo: Car = Carga; Velo = Bicicleta

 

HABITAT III e a Nova Agenda Urbana

1

Estivemos presentes na Habitat III, a Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável, que aconteceu em Quito, no Equador, entre 17 e 20 outubro de 2016. A Conferência Habitat III vem para revigorar o compromisso global de urbanização sustentável e se concentrar na implementação de uma Nova Agenda Urbana, construída com base na Agenda Habitat de Istambul (1996).

Durante o evento diversas atividades simultâneas e paralelas, oficiais e extraoficiais dividiam a atenção dos participantes. Organizações como WRI e ICLEI tinham suas próprias programações, Transport Day e EcoMobility respectivamente, inseridas ou não na programação oficial do evento.

2

Apresentação durante o Habitat Resistência

A Transporte Ativo participou ativamente de duas atividades, uma organizada pelo coletivo Carishinas en Bici, durante o Habitat Resistência, evento paralelo organizado pela sociedade civil com o objetivo de fazer um contraponto ao evento oficial, onde apresentamos o trabalho de promoção de uso da bicicleta realizado pela Transporte Ativo – incluindo ações, projetos e metodologias desenvolvidas – ao longo dos seus 13 anos de existência.

A outra atividade da qual participamos, neste como Stakeholdres, foi o Network Event Active and Acessible Cities: Cycling Deliveries on the New Urban Agenda & Global Goals organizado pela European Cyclists Federation (ECF) em parceria com World Cycling Aliance (WCA), Transporte Ativo (BR), Next Bike, Bike Anjo (BR), Laboratório de Cambio Social (Chile) e Hyderabad Bycicling Association (Índia). Durante a atividade que contou com algumas falas introdutórias, trabalho em grupos e debate, foram trabalhados os temas de Saúde, Transporte e Clima, Mudança de comportamento e Idade e Gênero, com o objetivo de demonstrar a importância de uma abordagem multidisciplinar nas políticas de promoção da mobilidade ativa.

A Transporte Ativo ainda participou, via World Cycling Aliance, da construção (prévia ao Habitat III) do documento The potential of cycling in the New Urban Agenda – Zero Draft Analysis (disponível apenas em inglês) que visa mostrar o potencial da bicicleta na construção de cidades mais sustentáveis.

3

Quito

Mais uma vez fica o desafio de como trazer para a prática nas nossas cidades tantos aspectos importantes para a vida coletiva e em sociedade. Por aqui, seguimos pedalando rumo a cidades mais justas e humanizadas.

 

Links relacionados:
Citiscope – Cycling can help the New Urban Agenda’s aims more than you’d think.
ECF – Cycling and Habitat III

 

Cidades de Baixo Carbono

lcc1

Realizado entre os dias 10 a 12 de outubro, em Medellín na Colômbia, o evento Ciudades Bajas en Carbono foi motivado pela Nova Agenda de Desenvolvimento Sustentável, pelo Acordo de Paris e a importância das cidades na mitigação das mudanças climáticas. O evento, que incluiu discussões de Mobilidade Urbana e Transporte de Zero Carbono, foi fruto de uma iniciativa cidadã.

lcc4

Totalmente aberto ao público, foi marcado pela realização de pré fóruns e intervenções urbanas em diversas cidades do mundo incluindo na cidade de Medellín, antes e durante o evento.

lcc5

A Transporte Ativo esteve presente apresentando seu estudo de Entregas de Cargas em triciclos e bicicletas. Mostrando através de dados e reconhecimento da realidade carioca todas as vantagens atreladas ao transporte de carga e logística urbana em bicicletas e triciclos.

Temas como participação cidadã, urbanismo tático, espaços públicos, desenvolvimento orientado ao transporte também tiveram destaque durante a programação do evento que contou com a participação de expertos em problemática ambiental, nacionais e estrangeiros, estudantes, líderes ambientais, etc.

lcc2

Depois de participar de mais este evento fica o desafio sobre como podemos levar o conteúdo debatido intensamente em dois dias às nossas cidades e mostrar ao mundo como através da promoção do uso da bicicleta podemos alcançar cidades mais saudáveis para todos!

Cicloturismo em Niterói

O cicloturismo urbano é uma modalidade que atinge não apenas turistas, mas também moradores que buscam uma nova forma de conhecer e interagir com a cidade, permitindo explorar suas mais diversas potencialidades (gastronomia, aventura, arte, natureza, etc). Devido ao seu alcance, vem se tornando um promotor da mobilidade por bicicleta nas cidades, além de ser uma forma saudável, ecologicamente correta e geradora de novas práticas no turismo, incentivando e impactando positivamente na economia local.

Tanto na forma urbana quanto rural, o cicloturismo tem crescido ano a ano no Brasil e no mundo, diversas cidades tem experimentado um crescimento enorme nesta modalidade turística, movimentando a economia e apresentado a cultura local de forma mais próxima à realidade.

Seguindo essa linha, nesta quarta-feira acontece em Niterói o I Encontro para o desenvolvimento do Cicloturismo. O evento vai debater o desenvolvimento do turismo local e regional e sua contribuição para os negócios. Três grandes temas serão debatidos: Como as cidades são vistas dentro do planejamento dos roteiros de cicloturismo; Cicloturismo como fomentador de novos negócios; e Estratégias para o desenvolvimento do Cicloturismo, além de outras atividades.

Inscreva-se e conheça a programação completa em Cicloturismo em Foco.

Cidades Acessíveis e Ativas

wca_hiiiExistem muitas ferramentas disponíveis para transformar cidades em cidades mais ativas e acessíveis; a bicicleta é uma delas. Ela é muito mais do que apenas transporte, já contribiu para o desenvolvimento urbano sustentável e pode contibuir significativamente para os objetivos globais e a Nova Agenda Urbana. Com isto em mente, a Federação Europeia de Ciclistas (ECF) está organizando um evento de networking durante o Habitat III, em Quito no Equador,  reunindo partes interessadas de diferentes setores e origens para discutir e concordar sobre como podemos colocar em prática os resultados da Nova Agenda Urbana em combinação com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (metas globais) para  cidades acessíveis e ativas através da promoção do ciclismo.

Caso esteja em Quito, compareça no dia 20, às 15hs na sala MR18 da Casa de la Cultura Ecuatoriana Benjamin Carrion.

Conheça a programação.

Encontro Internacional de Sistemas de Bicicletas Públicas

image

Realizado nos dias 6 e 7 de outubro de 2016, o encontro promovido para celebrar os 5 anos de operação do Encicla, sistema de bicicletas públicas da cidade de Medellín. Contou com a presença de representantes do poder público de cidades como Cidade do México, Medellin, Bogotá, Rosário e Barcelona. Contou ainda com a presença dos operadores de bicicletas públicas da Europa e Estados Unidos, como PBSC (Londres, Nova York, Chicago, etc.), JCDecaux (Paris), NextBike (Alemanha, Austria, etc.), Serttel (Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, etc.), Social Bicycles – SoBi (Estados Unidos) e Bike Santiago (Chile).

Durante os dois dias, operadores e os representantes do poder público trouxeram suas experiências na implantação e operação dos sistemas em suas cidades, suas características, erros e acertos, bem como desafios encontrados no campo técnico-operacional, jurídico, institucional, financeiro e tecnológico.

encicla

A presença de grandes operadores de sistemas de bicicletas públicas da Europa e Estados Unidos no evento, bem como dos representantes do poder público de importantes cidades garantiu um debate rico de conhecimento, com altíssimo nível de compreensão sobre o tema, seus desafios e soluções e a forte expansão e estudos para implantação em grande parte do mundo.

Entre os temas mais debatidos, a questão do financiamento ganhou grande destaque, onde foram apresentadas experiências de modelos que são financiados pelo poder público ou contam com financiamento privado integral ou parcialmente, seus modelos de gestão, metodologias para implantação, eficiência e principalmente, experiências que demonstram a maior qualidade no nível de serviço oferecido ao público.

rodrigo

Debateu-se ainda o futuros dos sistemas de bicicletas públicas, novas soluções tecnológicas que já começam a aparecer no horizonte e que certamente estarão marcando presença nas cidades do futuro, como bicicletas eletro-assistidas, sistemas mistos de estações self-service, estações hub ou que dispensam totalmente qualquer infra-estrutura de mobiliário para estações, modelos de soluções que já começam a ser implantadas em algumas cidades e devem ganhar cada vez mais espaço no futuro.

A evolução natural dos sistemas de bicicletas públicas é que eles não parem de expandir e que seu financiamento deverá ser cada vez mais diversificado e que os serviços tendam a possuir um marco regulatório como serviço público de transporte que não sejam totalmente dependentes da vontade política da cidade, nem da vontade privada do patrocinador ou financiador privado, sendo modelo de transporte sustentável que terá papel de destaque nas cidades do século XXI.