IMC em Tour por SP

Foto: Nadja Balconi

Após o retorno do IMC – Introdução ao Mundo Cicloviário e do Tour pelo Nordeste, desta vez rodamos pelo Estado de São Paulo, numa parceria com a Plataforma de Mobilidade Itaú e a Rede de Governança promovida pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito. Participamos da 5ª rodada de reuniões que passou pelas cidades de São Paulo, Guarujá, Jacareí, São Carlos, Americana e Birigui, onde 43 municípios paulistas estiveram presentes.

Foto: Nadja Balconi

As reuniões contaram com a presença de Gestores de Convênios dos municípios, Secretários de Mobilidade e Transporte, Superintendentes e representantes dos Detrans de cada região. A equipe, responsável pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, apresentou dados sobre os municípios com destaque para os resultados da campanha para redução de mortes no trânsito. Nossa missão era apresentar um panorama sobre o uso da bicicleta nas cidades, promover os benefícios e o potencial destas entre servidores públicos, apresentando os caminhos que as bicicletas percorreram do Século XIX até os dias atuais e os motivos que as levam a se destacar nesse início de século, além das atuais tendências em urbanismo e mobilidade.

Além das palestras, as atividades contaram com um tempo para trocas, onde os participantes compartilharam as conquistas de cada município e também tiveram oportunidade para conhecer as soluções que outros municípios encontraram para enfrentar problemas que são comuns a todos.

IMG_1526

Os primeiros resultados já começam a surgir, fomos convidados pela Prefeitura de Jacareí, para palestrar no evento de abertura da 2ª Virada da Mobilidade, evento que abriu a Semana de Mobilidade local, onde apresentamos trechos do IMC para um público aproximado de 300 pessoas. E aos poucos vamos espalhando pelo país as vantagens das bicicletas e dos veículos à propulsão humana para melhores cidades, mais adaptadas às necessidades deste do Século XXI.

Em 2008, exatos 10 anos atrás, também estivemos em São Paulo apresentando o IMC, confira aqui.

Moving Forward Together

Nabsa-(7)

Entre os dias 4 e 7 de setembro de 2018 participamos da conferência anual da Associação Norte-americana de Sistemas de Bicicletas Compartilhadas, na cidade de Portland, nos Estados Unidos.

Conferencia que este ano uniu a NABSA (North American Bikeshare Association), que é a voz da indústria de bikeshare, e a Better Bikeshare Partnership, organização que lidera o debate sobre Equidade e sistemas de bicicletas compartilhadas. O evento contou com a participação de cerca de 300 pessoas entre representantes da sociedade civil, poder público e indústria de bikeshare (operadores e provedores de tecnologia).

Nabsa-(4)

Como o nome de Moving Forward Together, a conferência teve como tema e debate central Equidade. Além de palestras, visitas técnicas e workshops, a conferencia é um importante espaço de trocas, integração e networking entre os participantes.

Nabsa-(1)

Dentro da programação participamos, juntamente com Tembici e Aromeiazero do Table Discussions (sessão designada a engajar os participantes em discussões sobre temas a sua escolha) com o tema Bikeshare Lessons from Brazil.

Nabsa-(2)

Em busca de Culturas de Bicicletas de Carga: Rio e Além

IMG_4128

Sue Knaup da organização americana One Street, esteve no Rio para o Bicicultura e Velo-city 2018, se surpreendeu com as bicicletas cargueiras que encontrou por aqui e publicou o post traduzido abaixo em seu blog Defying Poverty With Bicycles. Autorizados pela autora e com muita honra, reporduzimos o texto aqui.

“Quando voei para o Rio de Janeiro em junho para participar da conferência Velo-city, fiquei ansiosa para me reconectar com meus colegas da promoção ao uso de bicicletas de todo o mundo. O que eu não esperava era a descoberta de uma cultura de bicicletas tão profunda e orgulhosa quanto os ciclistas de carga do Rio de Janeiro.

Nos meus primeiros passos em uma rua do Rio, encontrei uma bicicleta de carga. Estava coberta de engenhocas para os turistas, mas meu olhar pousou nas molas sob a caixa de carga dianteira, que parecia com a mola de um carro. Não muito longe, em uma praça aberta e sem carros, vi outra bicicleta de carga. Essa tinha molas em folhas, também de carro.

Enquanto caminhava pela praça, verifiquei as armações e acessórios de cada bicicleta de carga que encontrei. Desde as molas até as gancheiras, passando pelas caixas de carga, cada um desses triciclos era único, construído ou, pelo menos, consertado localmente! E cada um dos ciclistas sentava-se orgulhoso em seus selins. Na minha primeira hora no Rio, encontrei uma extraordinária cultura de bicicleta.

IMG_E5695

Desde que retornei ao Arizona, tentei encontrar qualquer coisa por escrito ou por vídeo sobre a cultura de bicicleta de carga do Rio. Os defensores prestativos da Transporte Ativo me enviaram alguns documentos como este que demonstram os benefícios das bicicletas de carga de sua cidade. Você também pode encontrar alguns desses números postados no site Velo-city Rio. Pesquisas e documentos como esses são extremamente importantes para influenciar políticas públicas que permitam que as bicicletas de carga funcionem bem em uma cidade. Esses estudos claramente ajudaram a aumentar as bicicletas de carga na Europa. Encontre muitos destes estudos aqui.

O que eu não consigo encontrar é qualquer coisa a partir das perspectivas dos construtores e ciclistas de cargueiras do Rio. Existe uma cultura silenciosa para construir, cuidar e dirigir esses veículos. Com esse tipo de cuidado, segue o desejo de fazer parte desta cultura, incluindo pedalar e incorporar a bicicleta aos negócios locais. Esse é um sistema que nenhuma política ou financiamento governamental pode causar.

Minha experiência pessoal com tal cultura foi como mensageira de bicicleta em San Francisco nos anos 80. É onde a entrega de bicicleta nasceu nos EUA. E os anos 80 foram o auge dos mensageiros de bicicleta, logo antes da máquina de fax e, em seguida, os computadores pessoais. Eu fui Bike Messenger na crista da onda e serei eternamente grata.

No mês passado, enquanto andava e pedalava em meio às bicicletas de carga do Rio de Janeiro, foi meu primeiro encontro desse nível de cultura de bicicletas desde os meus dias de Bike Messenger. Eu sei que existem outros grupos orgulhosos de ciclistas e fabricantes ao redor do mundo também. Talvez os ciclistas de carga da Europa sejam assim, embora suas bicicletas e megaempresas extravagantes causem um pouco de dúvida. Eu suspeito que Cuba poderia ser outro enclave, depois de descobrir esta história, que eu postei há alguns anos atrás.

Pedicabs e ciclo-riquixás parecem criar suas próprias culturas orgulhosas em algumas partes do mundo. Um exemplo é o Rickshaw Bank na Índia. Este vídeo dá uma boa visão geral. Espero que o Rickshaw Bank esteja inspirando empresas sociais semelhantes em outras partes do mundo.

Pense em suas próprias experiências com trabalhadores ciclistas. Você já recebeu um pacote entregue por alguém que foi de bicicleta? Você viu os carteiros entregando correspondências em bicicletas? Você assistiu da janela de um avião enquanto os trabalhadores do aeroporto pedalavam com bicicletas pesadas sob as asas e através de um oceano de asfalto? Você já encontrou micro-empresários em calçadas vendendo mercadorias ou pedalando máquinas de bicicleta que afiam facas, moem milho ou misturam bebidas?

IMG_E4323

A Cultura de ciclistas trabalhadores são muito valiosas para mim porque eu fazia parte de uma. Mas deveriam ser valiosas para todos nós, porque são os sistemas de apoio que permitem que esses ciclistas e fabricantes prosperem, mesmo em lugares onde o transporte motorizado ainda domina. Eles estão mudando silenciosamente o transporte de caminhões barulhentos, poluentes e perigosos para veículos silenciosos cheios de pessoas que se orgulham de suas ocupações autopropulsadas.

Silêncio é um termo infeliz aqui. Não consigo encontrar nada sobre os fabricantes ou ciclistas das bicicletas de carga do Rio. Por falar nisso, além de alguns livros e filmes sobre mensageiros de bicicleta e algumas entrevistas em vídeo com pilotos de riquixás no Rickshaw Bank, não encontrei quase nada do lado humano dos ciclistas em atividade.

Você conhece algum? Se sim, por favor envie-os para mim em sue{at}onestreet.org. Se eu puder reunir diversas informações, vou usá-las em um post complementar e, quem sabe, talvez algo ainda maior.”

Para ver o post original, clique aqui.
Mais sobre bicicletas de carga e logística em bicicletas no Rio, clicando aqui.

Conexão Rio-Medellín

Medellín e Rio de Janeiro, duas capitais localizadas a mais de 7 mil quilômetros de distância sob diferentes latitudes.

Agosto de 2018, nossa quinta visita a esta cidade que é símbolo de resiliência. Desta vez viemos a convite do coletivo Más Urbano, que assim como a Transporte Ativo, atua promovendo o uso da bicicleta como meio de transporte.

Mdlln1

O convite foi para participar de duas atividades de socialização e intercambio entre projetos e experiências. Um bate-papo realizado a céu aberto em espaço público ao lado de uma das principais estações de metrô da cidade. Outro realizado no terraço de um espaço de co-working com a participação de representantes instituições públicas e coletivos que trabalham com o tema.

Mdlln2

Foram dois momentos onde tivemos a oportunidade de conhecer mais sobre a cidade seus projetos e processos e contar um pouco sobre o que acontece no Rio e como atuamos frente a promoção do uso da bicicleta como meio de transporte. Entre tantos temas abordados, a Pesquisa Perfil Ciclista foi um dos destaques no segundo bate-papo realizado em Medellín.

E como irem além das metas previamente estabelecidas também é nossa meta, propusemos uma intervenção na rua, para que com a participação dos ciclistas da cidade, ajudássemos a pensar conjuntamente uma solução de infraestrutura cicloviária para um cruzamento que é um dos principais pontos críticos da região metropolitana. Inspirados na metodologia do Ciclo Rotas Centro, levamos mapas para a rua, para que os ciclistas que circulam por esse ponto pudessem opinar sobre o tipo de solução que lhes parecia mais adequado. Além da interação através dos mapas, realizamos um exercício de contagem e filmamos a ação.

mdlln4

Das semelhanças entre as cidades podemos dizer que o fato de que as políticas de promoção do uso da bicicleta em ambas as cidades estar ligado as questões ambientais, é a principal. No Rio as ciclovias surgem junto com a Eco 92 e avançam dentro da Secretaria de Meio Ambiente, em Medellín a crise gerada pelo ar altamente contaminado impulsiona o sistema de bicicletas públicas e infraestrutura ciclista da cidade.

Duas capitais Latino-americanas cheias de contradições e que, com suas diferentes características, são muito favoráveis aos deslocamentos em bicicletas.

Conexão Transporte Ativo – Más Urbano. O que nos conecta? O desejo de promover e construir cidades mais ciclaveis, justas e equitativas em relação ao uso do espaço público.

Por mais pessoas, em mais bicicletas, mais vezes!

7º Fórum de Bicicletas Manaus

IMG_7194

Pelo sétimo ano consecutivo o Pedala Manaus realiza o Fórum de Bicicletas Manaus desta vez em parceria com a Fundação Amazonas Sustentável – FAS e pela sexta vez a TA esteve presente. Desta vez com o tema “A Bicicleta e os 17 ODS da ONU: Uma nova agenda de desenvolvimento urbano sustentável”, o Fórum foi muito além da bicicleta alertando aos presentes sobre necessidades urgentes para manutenção do ecossistema amigável ao ser humano em nosso planeta.

IMG_7139

Com palestrantes como Renata Falzoni, Aline Cavalcante, Suzana Nogueira e Zé Lobo o conteúdo foi repleto de informações para que possamos nós mesmos iniciar as mudanças tão necessárias, sem ficarmos sentados esperando que esforços governamentais solucionem a questão. Outro ponto de destaque nesta edição do Fórum foi a participação efetiva da Academia através da UFAM e da indústria, através da ABRACICLO e diversos de seus associados. Sentimos falta da participação importante do poder público, para que com as quatro esferas; Sociedade Civil, Academia, Indústria e Poder Público, possamos alavancar mudanças e tornar Manaus uma cidade mais segura e amiga do Ciclista.

Para encerrar em grande estilo, uma apresentação extra do filme Elo Perdido de Renata Falzoni, para a criançada da comunidade Redenção, no Cine Calçada.

CCUE0690

Fica aqui o agradecimento ao Pedala Manaus e seus coordenadores e mentores, que além de fazer um belo evento inspiram ciclistas pelo Brasil afora a seguirem buscando soluções efetivas para a circulação das bicicletas nas cidades brasileiras.