Em busca de Culturas de Bicicletas de Carga: Rio e Além

IMG_4128

Sue Knaup da organização americana One Street, esteve no Rio para o Bicicultura e Velo-city 2018, se surpreendeu com as bicicletas cargueiras que encontrou por aqui e publicou o post traduzido abaixo em seu blog Defying Poverty With Bicycles. Autorizados pela autora e com muita honra, reporduzimos o texto aqui.

“Quando voei para o Rio de Janeiro em junho para participar da conferência Velo-city, fiquei ansiosa para me reconectar com meus colegas da promoção ao uso de bicicletas de todo o mundo. O que eu não esperava era a descoberta de uma cultura de bicicletas tão profunda e orgulhosa quanto os ciclistas de carga do Rio de Janeiro.

Nos meus primeiros passos em uma rua do Rio, encontrei uma bicicleta de carga. Estava coberta de engenhocas para os turistas, mas meu olhar pousou nas molas sob a caixa de carga dianteira, que parecia com a mola de um carro. Não muito longe, em uma praça aberta e sem carros, vi outra bicicleta de carga. Essa tinha molas em folhas, também de carro.

Enquanto caminhava pela praça, verifiquei as armações e acessórios de cada bicicleta de carga que encontrei. Desde as molas até as gancheiras, passando pelas caixas de carga, cada um desses triciclos era único, construído ou, pelo menos, consertado localmente! E cada um dos ciclistas sentava-se orgulhoso em seus selins. Na minha primeira hora no Rio, encontrei uma extraordinária cultura de bicicleta.

IMG_E5695

Desde que retornei ao Arizona, tentei encontrar qualquer coisa por escrito ou por vídeo sobre a cultura de bicicleta de carga do Rio. Os defensores prestativos da Transporte Ativo me enviaram alguns documentos como este que demonstram os benefícios das bicicletas de carga de sua cidade. Você também pode encontrar alguns desses números postados no site Velo-city Rio. Pesquisas e documentos como esses são extremamente importantes para influenciar políticas públicas que permitam que as bicicletas de carga funcionem bem em uma cidade. Esses estudos claramente ajudaram a aumentar as bicicletas de carga na Europa. Encontre muitos destes estudos aqui.

O que eu não consigo encontrar é qualquer coisa a partir das perspectivas dos construtores e ciclistas de cargueiras do Rio. Existe uma cultura silenciosa para construir, cuidar e dirigir esses veículos. Com esse tipo de cuidado, segue o desejo de fazer parte desta cultura, incluindo pedalar e incorporar a bicicleta aos negócios locais. Esse é um sistema que nenhuma política ou financiamento governamental pode causar.

Minha experiência pessoal com tal cultura foi como mensageira de bicicleta em San Francisco nos anos 80. É onde a entrega de bicicleta nasceu nos EUA. E os anos 80 foram o auge dos mensageiros de bicicleta, logo antes da máquina de fax e, em seguida, os computadores pessoais. Eu fui Bike Messenger na crista da onda e serei eternamente grata.

No mês passado, enquanto andava e pedalava em meio às bicicletas de carga do Rio de Janeiro, foi meu primeiro encontro desse nível de cultura de bicicletas desde os meus dias de Bike Messenger. Eu sei que existem outros grupos orgulhosos de ciclistas e fabricantes ao redor do mundo também. Talvez os ciclistas de carga da Europa sejam assim, embora suas bicicletas e megaempresas extravagantes causem um pouco de dúvida. Eu suspeito que Cuba poderia ser outro enclave, depois de descobrir esta história, que eu postei há alguns anos atrás.

Pedicabs e ciclo-riquixás parecem criar suas próprias culturas orgulhosas em algumas partes do mundo. Um exemplo é o Rickshaw Bank na Índia. Este vídeo dá uma boa visão geral. Espero que o Rickshaw Bank esteja inspirando empresas sociais semelhantes em outras partes do mundo.

Pense em suas próprias experiências com trabalhadores ciclistas. Você já recebeu um pacote entregue por alguém que foi de bicicleta? Você viu os carteiros entregando correspondências em bicicletas? Você assistiu da janela de um avião enquanto os trabalhadores do aeroporto pedalavam com bicicletas pesadas sob as asas e através de um oceano de asfalto? Você já encontrou micro-empresários em calçadas vendendo mercadorias ou pedalando máquinas de bicicleta que afiam facas, moem milho ou misturam bebidas?

IMG_E4323

A Cultura de ciclistas trabalhadores são muito valiosas para mim porque eu fazia parte de uma. Mas deveriam ser valiosas para todos nós, porque são os sistemas de apoio que permitem que esses ciclistas e fabricantes prosperem, mesmo em lugares onde o transporte motorizado ainda domina. Eles estão mudando silenciosamente o transporte de caminhões barulhentos, poluentes e perigosos para veículos silenciosos cheios de pessoas que se orgulham de suas ocupações autopropulsadas.

Silêncio é um termo infeliz aqui. Não consigo encontrar nada sobre os fabricantes ou ciclistas das bicicletas de carga do Rio. Por falar nisso, além de alguns livros e filmes sobre mensageiros de bicicleta e algumas entrevistas em vídeo com pilotos de riquixás no Rickshaw Bank, não encontrei quase nada do lado humano dos ciclistas em atividade.

Você conhece algum? Se sim, por favor envie-os para mim em sue{at}onestreet.org. Se eu puder reunir diversas informações, vou usá-las em um post complementar e, quem sabe, talvez algo ainda maior.”

Para ver o post original, clique aqui.
Mais sobre bicicletas de carga e logística em bicicletas no Rio, clicando aqui.

Informação que se espalha

Use2Um dos principais objetivos da Transporte Ativo é coletar e distribuir informação de qualidade e quando vemos isso ser replicado de forma espontânea e eficaz, ficamos muito felizes e orgulhosos. Em 2017 a ANTP em seu livro Mobilidade Humana por um Brasil Urbano, e a Prefeitura do Rio, em seu Plano Estratégico 2017 – 2020, usaram dados da TA, de cinco diferentes projetos para expor e validar seus conteúdos.

Use1Este ano, foi a vez do Projeto Bicicleta nos Planos da UCB, usar dados da TA em dois de seus sensacionais infográficos. Um elaborado pelo ITDP Brasil – Bicicleta e Transporte Coletivo e outro pela Natalia Garcia – Cidades para Pessoas – A Bicicleta na Escala do Bairro. Mais recentemente, foi a vez da Aliança Bike e do Labmob usarem os dados e metodologias, na pesquisa Ciclologística: entregas de bicicleta e triciclo no Bom Retiro, no livro A Economia da Bicicleta  no Brasil e no recém lançado documento Bicicletas Elétricas, como e por que incentivá-las.

Post_1

Em meio a tudo isso, no dia 8 de agosto, nossas metodologias eram citadas em três diferentes atividades, na Oficina de Contagens de Ciclistas da Ciclocidade, na Oficina sobre metodologias de para contagens de bicicletas do ITPD Brasil, ambas em São Paulo, e na Cidade do México, o ITDPMX citava a pesquisa Perfil do Ciclista.Post_2

Ainda este ano, a AMA-JB utilizou a metodologia TA para contagens de bicicletas no bairro carioca do Jardim Botânico e nos próximos dia, a SMUIH – Secretaria Municipal de Urbanismo Infraestrutura e Habitação, irá realizar contagens com a metodologia em contagens de bicicletas no Centro do Rio.

Seguimos levantando dados e fatos, assim como desenvolvendo tutoriais que permitam que a metodologia seja reaplicada em qualquer local.

As pesquisas e dados utilizados nestas publicações são:
CicloRotas Centro
Pesquisa Perfil do Ciclista 2015
Logística em Bicicletas
Guia Incluindo a Bicicleta nos Planos
Contagens de bicicletas
Estão todos à disposição para serem usados, precisando de algum suporte, entre em contato.

Perfil do Ciclista 2018¨

PerfilCilcista2018-Web-1

Ja está novamente disponível o livreto com o Perfil do Ciclista 2018. Após o lançamento, com  dados inéditos, durante a conferência Velo-City 2018 no Rio de Janeiro, o arquivo ficou disponível por alguns dias, mas em seguida retiramos a publicação do ar para realizar alguns ajustes necessários e para inclusão de Florianópolis.

Saiba mais e baixe o livreto clicando aqui.

Perfil do Ciclista 2018

PerfilCilcista2018-Web-1A segunda edição da pesquisa sobre o perfil dos ciclistas urbanos, que agora contempla também algumas cidades Latino Americanas, foi lançada nesta quinta feira dia 14 de junho, durante e conferência Velo-city 2018 no Rio de Janeiro. Estiveram presentes ao lançamento representantes de algumas das organizações envolvidas, que tornaram esse projeto possível. Conheça os resultados clicando aqui. Foram entrevistados 7644 ciclistas entre setembro de 2017 e abril de 2018 por mais de 140 pesquisadores. Em breve mais detalhes sobre os dados apurados.
IMG_6126