Junho será o mês das Bicicletas no Rio

IMG_5016

O mês de junho de 2018 está repleto de atividades envolvendo as bicicletas no Rio de Janeiro. Nesse período, a cidade fará jus ao título de Capital da Bicicleta. O mundo da mobilidade por bicicletas estará de olho na capital carioca. Serão diversos eventos evolvendo nossas queridas bicicletas, dos mais variados tipos, alguns confirmados e outros ainda por vir. Já confirmados estão o Bicicultura 2018; Velo-city Rio; IV Encontro Latino-americano de Sistemas de Bicicletas Públicas e Compartilhadas; Audax Rio Brevet 200km; 100gurias100medo. E vem muito mais por aí! Muitas parcerias e articulações com diversos grupos, empresas, organizações, estão sendo feitas para ver as bicicletas tomarem conta de nossa cidade. Espera-se que toda essa movimentação abra os olhos do poder publico e dos cidadãos para as reais possibilidades da mobilidade ativa na construção de cidades melhores!

        85_4    1     Untitled-1      audaxrio-final

O Rio pedala independente de esforços governamentais, fazendo com que a cidade a cada dia tenha mais bicicletas em suas ruas. E apesar dos percalços o carioca, seus visitantes e empresas amigas das bicicletas seguem pedalando, cada vez mais, mostrando que um Rio de Bicicletas é possível e real!

IMG_4526

Metrô Rio estação Uruguai.

IMG_5077

Metrô Rio estação Jardim Oceânico


                                                              Embarque estação Barcas Praça XV.

HF

Horti Fruti – Copacabana

Bike Rio, 4ª Geração já está nas ruas

IMG_4409

Há quase dez anos era lançado o primeiro sistema de bicicletas compartilhadas do Hemisfério Sul. O Pedala Rio foi a 1ª geração das bicicletas compartilhadas do Rio de Janeiro. Na inauguração, em dezembro de 2008, eram apenas dezenove estações cinza, com 190 bicicletas prateadas distribuídas por poucos bairros da Zona Sul Carioca. Na época publicamos o post Pedalemos no ritmo de Samba.

DSC07109

Após um período sem conseguir patrocínio para manter o sistema, ele foi se deteriorando. Quando surgiu um possível patrocinador a frota de bicicletas chegou a ser pintada de azul. Era a 2ª Geração, no início de 2010, quando fizemos esta postagem: E o Samba voltou. Mas a parceria não seguiu adiante e as bicicletas logo sumiram das ruas.

DSC00019

No final de 2011, com patrocínio do Banco Itaú, nascia o Bike Rio, 3ª Geração das bicicletas compartilhadas cariocas, que passaram a ser conhecidas como Laranjinhas (A ordem é Samba). Inicialmente o sistema cresceu para 60 estações, mas foi entre 2013 e 2015 que houve uma grande expansão, com a instalação de 200 novas estações. Isso ampliou o número de bairros atendidos e aumentou a densidade do sistema, diminuindo a distância entre algumas estações.

IMG_9113

Em 2015, o sistema atingiu seu auge com uma média de 8 mil viagens por dia ou 240 mil por mês. Os números eram impressionantes:
– Mulheres eram 48% dos usuários;
– Distância média percorrida em cada viagem era de 3,3Km;
– Tempo médio de viagem: 44 minutos.
Com picos nos dias de semana e no mês de agosto, esses dados consolidaram o Bike Rio como um meio de transporte significativo no cotidiano carioca.

photo

Mas o sucesso do sistema o derrubou. Com uma demanda maior que a capacidade de oferta, dificuldades para fazer a manutenção das bicicletas e lidar com problemas físicos e tecnológicos o Bike Rio foi entrando em colapso. Até que em junho de 2017 houve a troca na concessionária operadora do sistema, saía a Serttel e entrava a TemBici, com a missão de fazer funcionar algo que já estava “quebrado”. O desafio foi grande, houve uma breve melhora, mas o foco da empresa já estava nas novas bicicletas e estações que estavam por vir.

IMG_4441

E agora elas já estão nas ruas do Rio! O novo sistema é o canadense Public Bike System Company (PBSC), um dos mais confiáveis e utilizados do mundo presente em 24 cidades, como Londres, Nova Iorque, Chicago, Washington, Melbourne, Guadalajara e Toronto. Agora no Brasil em parceria com o Banco Itaú, a TemBici opera as bicicletas no Rio de Janeiro, Recife e São Paulo. O sistema é mais robusto, com uma bicicleta pensada para essa função, que oferece mais segurança e prazer na pedalada. Além disso, permite uma variedade maior de formas para se retirar a bicicleta e adquirir os passes.

IMG_4436

A 4ª Geração do Bike Rio foi lançada no dia 20 de fevereiro de 2018 e já começou movimentada. Apesar de inaugurada sem a cerimônia, a pompa e o alarde de outras cidades, logo no primeiro dia já teve mais de 900 viagens e mais de dois mil cadastros. No segundo dia, por volta das 21 horas o número de viagens já era o dobro em relação ao dia anterior, chegando perto de duas mil viagens. O carioca já abraçou o Bike Rio, viu, aprovou e está usando. Em breve aqueles números de 2015 serão coisa do passado e as bicicletas públicas mais do que nunca farão parte do cotidiano, da cultura e do visual da cidade.

Assista a seguir um pouquinho do que vimos ontem à noite, em alguns minutos na Orla de Copacabana.

Para saber mais sobre o novo Bike Rio, acesse o site do sistema clicando aqui.

4Gen_BR_A Transporte Ativo vem acompanhando de perto o desenvolvimento das Bicicletas Compartilhadas Cariocas, em todos os seus momentos, bons ou ruins, sempre em busca de um sistema que atenda aos cariocas com a qualidade que eles merecem.

As Bicicletas de Paraty

IMG_3552

Sabe o que combina perfeitamente com uma cidade litorânea bucólica e um dos principais destinos turísticos do estado do RJ? Isso mesmo: Bicicleta! E Paraty é uma cidade que tem muita gente usando a bicicleta diariamente. É possível atravessar a cidade toda de bicicleta, de uma ponta à outra em menos de 30 minutos. De fato, as pessoas costumam levar apenas 10 minutos em seus trajetos diários. E como a economia local se baseia no turismo receptivo (há cerca de 800 hotéis e pousadas) o uso massivo da bicicleta é ideal para garantir que Paraty não sofra tanto com terríveis engarrafamentos, comuns em cidades pequenas com arquitetura antiga, que não foram planejadas para receber grande volume de motorizados. Ainda mais no verão quando a cidade recebe um enorme volume de turistas e visitantes, chegando a triplicar a população. Claro que existem congestionamentos, afinal de contas a cultura nacional ainda usa o transporte individual motorizado com as ultrapassadas justificativas do século passado. E há muitos ajustes em ruas e ciclovias para tornar a cidade ainda mais amiga da bicicleta. Mas esse destino turístico está disposto a melhorar nesse aspecto e reduzir ainda mais o trânsito, com ajuda de incentivos ao uso da querida magrela.

IMG_3260

A TA esteve lá por 3 dias este mês fazendo levantamentos de dados e entrevistas com ciclistas para entender como é a dinâmica do uso da bicicleta e o que pode ser melhorado. A iniciativa é da Secretaria de Turismo, que felizmente é capitaneada por gestores públicos que estão à frente de seu tempo e já sabem que quanto mais pessoas pedalarem a trabalho, lazer ou turismo melhor será o desenvolvimento da economia local e da qualidade de vida das pessoas. Paraty pode se tornar um excelente exemplo de como é possível equacionar problemas urbanos modernos, com baixo custo e rápido retorno. A economia agradece, a saúde e o meio ambiente também. Vamos pedalar em Paraty?

IMG_3631

Cinco razões porque uma bicicleta de carga é um investimento melhor do que comprar um carro.

Cargo Bike

Se a distância entre sua casa e o trabalho estiver no limite de uma larga parcela da população, até 8km, usar a bicicleta como modo de transporte é uma alternativa real. O impacto nas finanças – no valor a ser economizado –  pode ser um grande incentivo para que você troque seu carro por uma bicicleta de carga. Reunimos cinco motivos que mostram o quanto essa troca pode se transformar em um bom investimento.

1. Finanças Pessoais
Seus gastos com transporte podem ser facilmente reduzidos ao trocar o carro por uma bicicleta de carga. Você pode até mesmo manter seu carro, mas sem dúvida realizar os deslocamentos diários usando a bicicleta compensa financeiramente e ainda permite mais folga em seu orçamento para pegar um táxi ou alugar um carro quando necessário.  Abaixo segue um cálculo para resumir o enorme impacto que a mudança pode fazer ao seu orçamento e finanças pessoais. Exemplos no contexto dinamarquês:

waybet1
Tabela:  Déficit em deslocamentos diários por carro ao invés de por bicicleta, quando você possui um carro. Os exemplos são da Dinamarca (vendas, taxas, seguro e combustível).

Agora, vamos ver outro exemplo, para o caso de você necessitar comprar um carro ou uma bicicleta de carga. Neste caso, os números são completamente diferentes.

waybet2
Tabela:  Déficit em deslocamentos diários de carro ao invés de bicicleta, caso você tenha que comprar um carro novo. Os exemplos são da Dinamarca (vendas, taxas, seguro e combustível).

Sim, os custos para manter um carro são altos na Dinamarca e no Brasil, você pode economizar uma boa quantia se puder fazer suas viagens diárias em bicicleta.

2. Benefícios socioeconômicos consideráveis

Na Dinamarca, para cada km rodado de bicicleta se economiza 0,8 Euros. Nesse cenário, com 5,7 milhões de dinamarqueses rodando 1,5 km por dia, a economia é de 6.840.000 Euros por dia, sendo essa uma estimativa conservadora. O total economizado no período de um ano será de quase 2,5 bilhões de Euros, o que representa um valor significativo nas finanças públicas.
O déficit dos custos de construção para infraestrutura de bicicletas quando comparado com a infraestrutura para carros também é enorme. Cada quilômetro de rodovia dinamarquesa custa até 100 vezes mais do que o mesmo trecho de infraestrutura para bicicletas.

3. Bicicletas tem melhor valor de revenda
A revenda de uma bicicleta usada não tem uma perda tão significante como a revenda dos carros. Se comparada com a venda de automóveis, uma bicicleta com cinco a seis anos de uso tem um preço ligeiramente mais baixo do que o produto novo na loja. Exemplo:

waybet3
Tabela: Depreciação

 4. Saúde
Por cada 1.200 km de bicicleta rodado, o número médio de dias parado por conta de doenças é reduzido para um. Apenas 30 minutos de exercício diário faz diferença. Estar saudável é o melhor plano de saúde.

Na capital dinamarquesa, estima-se uma queda de até um milhão de dias de faltas ao trabalho devido a uso da bicicleta por grande parte da  população .

5. Investir nas gerações futuras
Como um veículo sustentável com baixa emissão de carbono, a bicicleta de carga é um investimento nas gerações futuras.

Nestas 5 razões, nem foram mencionados todos os negócios em bicicleta de carga, que vem crescendo como Velopak, DHL, CYKELKOKKEN,  utilizando bicicletas de carga de fabricantes como Larry vs Harry e Butchers and Bicycles dentre outros. E todos os varejistas em crescimento como Cyclart, FullyCharged, Peoplesbicycle, Wingwheels, Dr.Beyk, Cech, Velobloom e Yes we Bike.

Fontes:
Velocity – urban movement of cargo bikes
Cycling Embassy of Denmark

Traduzido e adaptado por Fábio Nazareth          Postagem original: blogvelocity

Novas Bicicletas de Equilibrio TA

bal2

Ao renovar a frota, da escolinha de Bicicletas Itaú, parte da Plataforma de Mobilidade do Banco, diversas organizações foram agraciadas com a doação da antiga frota. A Transporte Ativo, foi uma delas, recebemos como doação quatroze bicicletas de equilibrio ou Balance Bikes, que nos permitirão desenvolver uma série de atividades com crianças. Desde os Jogos de Bicicleta, com frota ampliada e maior alcance, até novas experiências como a inclusão das bicicletas em aulas elementares de Educação Fïsica nas escolas.

Com essa pequena frota, buscaremos criar nas crianças uma aproximação e entendimento da bicicleta desde pequenos, para que cresçam com isso e levem a bicicleta ao longo de suas vidas, repliquem e façam com que a cultura da bicicleta prevaleça e sigam adiante influenciando novas e futuras gerações.

bal3

As bicicletas de equilíbrio, também conhecidas como balance bikes, foram desenvolvidas para facilitar o processo de aprendizado das crianças. Esse modelo de bicicleta não conta com rodinhas de apoio e nem pedais, o que facilita a interação da criança com o solo. Desse modo, na medida que vão melhorando o equilíbrio, conseguem percorrer pequenas distâncias sem colocar os pés no chão. Assim, quando estão com o equilíbrio bem aperfeiçoado, já passam para uma bicicleta com pedais sem precisar usar as rodinhas. Em 2011, a Transporte Ativo publicou um folheto com jogos lúdicos para as bicicletas de equilíbrio e vem desenvolvendo atividades para estimular o uso dessas bicicletas como forma de facilitar o aprendizado das crianças.