Bicicletas, eletricidade e sustentabilidade

IMG_1469b

A bicicleta é um veículo a propulsão humana¹ por pedais. Ao adaptar ou construir um similar com um motor acionado por acelerador, seja elétrico ou a combustão, sua classificação muda para ciclomotor², ainda que tenha pedais que também a movimentam. Já os modelos com pedal assistido³ por motor, mas sem acelerador, ainda se enquadram na categoria de bicicletas, embora sem a simplicidade e eficiência originais.
Essas diferenças entre os tipos de veículos com e sem motor, com e sem acelerador tem levado a uma confusão de conceitos e mau uso das definições, tanto ambientais quanto legais. É importante diferenciar para evitar que se utilize a boa reputação da bicicleta para emprestar empatia e virtudes que os ciclomotores elétricos não têm. Dependendo do uso, os pedais dos ciclomotores servem apenas de apoio para os pés.

Vamos analisar a sustentabilidade do uso de motores elétricos em veículos de duas rodas, sejam eles a pedal assistido ou ciclomotores. A ideia é discutir o perfil do usuário da motorização elétrica, bem como a coerência das definições e do marketing dos fabricantes, que não deveriam classificar de sustentável um produto que não é de fato. A indústria automobilística é craque nessa prática.
Veículos com motores elétricos, seja pedal assistido ou não, tem suas vantagens especificamente em relação aos motores a combustão. São mais baratas de adquirir e de se manter, além disso não poluem durante o uso e são silenciosas. As de pedal assistido são mais amigáveis a quem quer fazer exercício enquanto se desloca e não tem preparo ou condições físicas mínimas. Além disso, levam mais peso e sobem aclives com menos esforço devido à ajuda do motor. Contribuem ainda para humanizar o trânsito, pois os condutores de bicicletas e ciclomotores elétricos compartilham da mesma posição na hierarquia das ruas. Transporte de carga, de passageiros e necessidade de vencer ladeiras íngremes ou grandes distâncias são algumas das demandas ideais para a motorização elétrica como opção vantajosa aos veículos com motores a combustão. Entretanto, na comparação, a sustentabilidade verdadeira é uma qualidade mais adequada às bicicletas puras.

A sustentabilidade é uma condição exclusiva daquilo que é ao mesmo tempo ambientalmente correto, economicamente viável e socialmente justo. Sempre os três juntos, pois se atender somente um ou dois aspectos, não é sustentável.

Quanto mais complexo o veículo menor a chance de atender aos três requisitos acima.
Então, analisando sob a luz da definição correta de sustentabilidade e da eficiência das bicicletas convencionais temos algumas considerações:

– Bicicletas e ciclomotores elétricos são mais caros que bicicletas convencionais, tanto para aquisição quanto na manutenção, e isso restringe a democratização desses veículos. A troca da bateria é cara, e mesmo a manutenção de peças comuns às bicicletas será mais custosa ao longo do tempo, já que as elétricas são mais pesadas e atingem maiores velocidades, o que reduz a vida útil de freios, rodas e pneus;

– Alguns fabricantes ainda oferecem ciclomotores com baterias de chumbo, como as de carro. Considerada uma tecnologia ultrapassada estas baterias são recicláveis, mas apenas no ano passado o setor assinou acordo com o IBAMA para organizar a logística reversa no Brasil e sua reciclagem ainda é uma atividade potencialmente poluidora.  São bem mais pesadas e mais baratas (R$ 500 e R$ 600) que as de Íons de Lítio, mas tem vida útil menor, em torno de 300 ciclos de recarga, enquanto as de lítio são mais leves, mais caras (R$ 800 a R$ 1.500) e aguentam 600 recargas;

– A suposta vantagem das baterias de lítio é confrontada com o alto custo social e ambiental de sua produção. As extrações de lítio e de cobalto são socialmente injustas, impactam o meio ambiente e, diante da perspectiva de explosão de demanda por veículos elétricos, suas reservas mundiais podem se encerrar em algumas décadas (2030 para o cobalto e 2037 para o lítio). O desenvolvimento de tecnologias de reciclagem ou de novos tipos de baterias ainda é lento demais para equacionar a sustentabilidade com a demanda atual e futura.

– Ao contrário da suposta evolução econômica e ambiental da migração dos motores a combustão dos carros para elétricos, no caso das bicicletas com a adição de um motor elétrico essa seria uma involução já que a tríade custo-benefício-eficiência da Bicicleta é imbatível em relação a um veículo similar eletrificado, como no exemplo acima sobre o custo de troca de baterias. Além disso, se a legislação federal que equipara ciclomotores elétricos aos que tem motor até 50cc fosse seguida, seria exigido dos condutores uma ACC (Autorização para Condução de Ciclomotor) ou CNH A, o que significa um custo de aproximadamente R$ 2.300,00 em aulas teóricas, práticas, exames de saúde e documentação;

– O ciclomotor elétrico é uma opção melhor em relação ao veículo de uso individual, seja carro ou motocicleta movidos a combustão. No entanto, até agora esse tipo de migração não é tão volumoso a ponto de representar uma contribuição significativa para a melhoria das cidades através da mobilidade eletrificada. A porcentagem de participação na matriz de transportes teria que ser muito maior. Ainda assim, ambientalmente ajudaria apenas na qualidade do ar nas cidades, e ainda que isso seja muito importante, a ajuda ocorre de uma forma muito menos prática, rápida e barata que o uso das bicicletas já faz há muitos anos.

– O impacto ambiental global da fabricação, manutenção e descarte de um ciclomotor ou bicicleta elétrica é bem maior do que de uma bicicleta. Emissões de gases poluentes, demanda de energia e de matéria-prima são muito relevantes e pesam mais do que se imagina na pegada de carbono da dupla motor+bateria ao longo de sua vida útil. A energia para movê-lo tem apenas uma fração da responsabilidade por seu alto impacto ambiental;

– A matriz elétrica brasileira é composta predominantemente de fontes renováveis como hidrelétrica, biomassa, solar e eólica. No entanto, o sistema de transmissão ainda é ineficiente com desperdício de cerca de 20% do que é gerado por uso de tecnologias ultrapassadas e os impactos ambientais das hidrelétrica são subestimados.

Então todo e qualquer aumento na demanda por energia deve ser muito bem justificado, o que nem sempre se aplica no caso da eletrificação das bicicletas.

A humanidade é ótima em criar soluções para reduzir problemas e ampliar sua capacidade de desenvolvimento. A mobilidade por bicicletas atende muito bem a vários aspectos desse desafio. Os veículos com motores a combustão trouxeram avanços, mas por diversos motivos o modelo tem acumulado problemas importantes. Trocar a tecnologia é uma das alternativas, mas ela precisa ser feita com responsabilidade e bom senso para que as pessoas entendam suas qualidade e imperfeições, e consigam escolher corretamente. O motor elétrico e a bateria representam melhorias em alguns aspectos, mas tal qual o motor a combustão ainda tem limitações significativas.

A bicicleta usa tecnologia simples, mas que segue cumprindo muito bem o papel de ajudar na mobilidade humana sendo ao mesmo tempo prática, eficiente, ecológica e acessível. Uma invenção ímpar, forte aliada da sustentabilidade que pode servir de inspiração aos que buscam revolucionar o transporte, com o cuidado de não tentar reinventar a roda e ignorar que, muitas vezes, menos é mais.

Devagar e sempre… se vai mais longe.

elet920

Links:
· Saiba mais sobre vida útil, preço e troca da bateria:
E-bike: Reposição da bateria – Revista Bicicleta
· Impactos ambientais e sociais da exploração e exposição ao cobalto:
Cobalto: um ingrediente necessário, mas tóxico para a sociedade e os negócios –  Época Negócios
Gigantes da tecnologia não conseguem refutar alegações de trabalho infantil em cadeia de fornecimento de cobalto – anisitia.org
Ficha de Informação Toxicológica – Cobalto – CETESB
· Outras facetas das Bicicletas Elétricas
Bike elétrica é a resposta neoliberal à resistência do ciclismo – Revista Bicicleta
· Divulgação positiva, consciente e sem artifícios da Caloi

Legislação:
· Resolução CONTRAN nº 465, de 27/11/2013
Dá nova redação ao art. 1º da Resolução nº 315, de 8 de maio de 2009, do Contran, que estabelece a equiparação dos veículos ciclo-elétrico, aos ciclomotores e os equipamentos obrigatórios para condução nas vias públicas abertas à circulação e dá outras providências.
· Resolução CONTRAN nº 315 de 08/05/2009
Estabelece a equiparação dos veículos ciclo-elétricos aos ciclomotores e os equipamentos obrigatórios para condução nas vias públicas abertas à circulação.

————————————————————————-

¹ Conhece-se como propulsão humana aquela que se gera através da força dos músculos de uma pessoa. Segundo o Código de trânsito Brasileiro a Bicicleta é: veículo de propulsão humana, dotado de duas rodas, não sendo, para efeito deste Código, similar à motocicleta, motoneta e ciclomotor.
² O ciclomotor, por definição do Anexo I do Código de Trânsito Brasileiro, é o “veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a cinquenta centímetros cúbicos (3,05 polegadas cúbicas) e cuja velocidade máxima de fabricação não exceda a cinquenta quilômetros por hora”.
De acordo com as Resoluções do Conselho Nacional de Trânsito n. 315/09 e 465/13, a bicicleta elétrica é equiparada a ciclomotor, EXCETO se, cumulativamente, apresentar as seguintes características:
I) potência até 350 watts;
II) velocidade máxima de 25 km/h;
III) sem acelerador;
IV) motor somente funcionar quando condutor pedalar.
Se cumprir todos esses requisitos, deve ser tratada como bicicleta. Caso contrário, aplicam-se as mesmas normas dos ciclomotores.
Requisitos para Conduzir: Ser habilitado em ACC (Autorização para Conduzir Ciclomotor) ou ser portador de CNH na categoria A.
³ Pedal Assistido é o que distingue a bicicleta elétrica de uma comum. O motor elétrico entra em ação quando se pedala, ao parar de pedalar ou acionar o freio, o motor se desliga automaticamente.

Plataforma de Bicicletas Compartilhadas da América Latina Latino SBP

LATINO4

Em anos recentes, a TA acabou por enveredar por uma área que nunca havia pensado, a incubação de outras organizações e projetos externos. A sétima delas foi a Plataforma Latino-Americana de Bicicletas Públicas e Compartilhadas, que com financiamento do Banco Itaú, teve seu lançamento em 2018 no 4º Encontro Latino-americano de Sistemas de Bicicletas Públicas e Compartilhadas. Este encontro fez parte do mês da bicicleta no Rio. No primeiro semestre de 2019, após coleta e sistematização dos dados iniciais, a plataforma entrou no ar.

LATINO2

Hoje a plataforma já pedala sozinha, com uma equipe comprometida, que em breve apresentará uma nova cara, em uma página com nova hospedagem, biblioteca e muita informação sobre os sistemas de bicicletas públicas e compartilhadas da América Latina. Antecedendo à publicação da nova página da Plataforma Latino SBP, uma publicação consolida essa fase do trabalho que vem sendo desenvolvido, apresentando o perfil dos sistemas latino-americanos em 2019. Clique na imagem abaixo para baixar e conhecer o relatório 2019.

LATINO3

VII Prêmio Promovendo a Mobilidade por Bicicletas – Entrega de Prêmios

VIIP2ent

A entrega dos Prêmios Promovendo a Mobilidade por Bicicleta no Brasil este ano, foi diferente! Em geral, ela acontece dentro de algum evento para onde levamos os vencedores. Nos últimos anos, aconteceu durante a Conferência Velo-city em 2017 e 2019 e em 2018 no Bicicultura Rio.

VIIP5ent

Esse ano, com a pandemia e o cancelamento de diversos eventos, dentre eles a Conferência Velo-city 2020 na Eslovênia, onde seriam entregues os Prêmios, tivemos também que mudar nossa estratégia para a entrega. Desta vez, a premiação está sendo feita via correio! O troféu em madeira de demolição para os vencedores e os kits com bolsa, camiseta, adesivos, bordado e certificados já estão a caminho e alguns já estão chegando aos destinatários, os nove finalistas. O participantes do comitê de avaliação do prêmio também estão recebendo um kit mais simples, com camiseta e bolsa, uma forma de agradecer o tempo dedicado à leitura e avaliação de todos os projetos enviados.

VIIP1entVIIP4ent

A premiação maior deste ano, seria a ida para a Conferência Velo-city em Ljublijana, capital da Eslovênia mas devido a impossibilidade de serem realizadas algumas viagens devido a pandemia e ao cancelamento da Conferência em 2020, os projetos vencedores das três categorias tiveram a premiação alterada e  terão  ida garantida à Conferência em 2021 em Lisboa.

VIIP3ent

 

Mobilidade por bicicletas vencendo a crise


Muitas cidades mundo afora vem pensando em soluções viárias para enfrentar os desafios de mobilidade impostos pelo Coronavírus. A bicicleta vem se destacando muito nesta busca por soluções, principalmente na Europa, que já percebeu seu potencial e vem investindo nesta modalidade de transporte. A ECF – European Cyclists Federation elaborou uma página com o que vem sendo planejado e realizado em território europeu.

O painel navegável, apresentado abaixo, nos mostra um belo panorama das iniciativas. Com diversos gráficos de fácil compreensão, é possível  conhecer as medidas europeias de enfrentamento à Pandemia, que envolvem as bicicletas.

Veja o painel acima na publicação original clicando aqui e o painel aqui (o mapa aparece melhor no painel)
Veja outras práticas para superar os desafios do Coronavírus clicando aqui,

Forte X Frágil

1

O Código de Trânsito Brasileiro é claro: o maior deve zelar pela segurança do menor nas ruas. Esta regra, embora não esteja clara nas mentes e ações de muitos motoristas, bem como a percepção popular, tem ajudado a difundir a ideia de que ciclistas e pedestres são os componentes mais frágeis no trânsito. De fato, em caso de choque de um veículo motorizado com um destes dois o potencial de danos é grande (e agravado pelo contumaz excesso de velocidade). Mas em situações normais pedestres e ciclistas tem uma série de vantagens nas ruas das metrópoles, e até de algumas cidades médias que já padecem dos males do trânsito moderno.
Ciclistas não ficam engarrafados, portanto estão menos expostos à poluição – que faz muito mal em ambientes fechados como o de carros e ônibus presos no mar de veículos. Também estão menos sujeitos a assaltos visto que ficam menos tempo parados que os motoristas, mais suscetíveis a abordagens criminosas. Indo de bicicleta o estresse é menor, é mais fácil de estacionar (e a custo zero!), a saúde melhora e a economia de tempo, dinheiro e incomodação é enorme.
A bicicleta pode não ser a solução definitiva para o trânsito engarrafado, mas como este é cada vez mais comum e longo, torna-se uma opção por suas vantagens e por evitar a fragilidade que o automóvel impõe aos motoristas do século XXI.
Por fim, ciclistas e pedestres ajudam a humanizar o trânsito, lembrando a todos que a cidade é das pessoas e que o compartilhamento do espaço público é uma virtude da sociedade. Quando entendemos o próximo e nos respeitamos mutuamente nas ruas e calçadas, fortalecemos nossa comunidade, nossa cidade, nosso país e o mundo todo.

Saiba mais:
A exposição de ciclistas, motoristas e pedestres à poluição do trânsito.
Diferenças na exposição à poluição do ar por ciclistas e motoristas em Copenhagen.

2