Pedalando na chuva com segurança

167

Foto: Elena Landau

Pedalar na chuva é algo que vai acontecer cada vez mais, tanto por conta da crise climática que estamos enfrentando e também porque diante do caos motorizado nas cidades, é melhor chegar rápido e molhado do que passar horas ilhado dentro de um carro. 

Você vai encontrar na Internet diversas dicas sobre como pedalar na chuva. O portal Vá de Bike faz uma lista de 10 dicas sobre equipamentos e como se manter seco durante a pedalada. Aqui, gostaria de chamar atenção para algumas situações que precisamos ter em mente ao pedalar na chuva e que não estão basicamente relacionadas à bicicleta, mas ao seu entorno.

Durante chuvas fortes, é comum surgirem buracos perigosos em trechos que estamos acostumados a pedalar. Por isso, é extremamente importante aumentar o cuidado com as poças e áreas alagadas, elas podem esconder verdadeiras crateras que podem nos levar ao chão e causar sérias lesões.

Em dias secos, avistamos facilmente ralos e bueiros sem tampa, todavia, com as chuvas e o alagamento das ruas, algumas tampas se desprendem dos bueiros por ação da correnteza deixando o vão aberto, o que representa risco de queda. Evite pedalar muito próximo aos bordos da via, local onde geralmente esses ralos e bueiros estão posicionados.

Por conta dos pés molhados, o risco de escorregar e se ferir com as travas da coroa aumenta. Isso pode acontecer porque alguns tipos de calçados perdem o atrito com o pedal. Algumas bicicletas contam com protetor de corrente, mas as Mountain Bikes deixam a coroa livre e, em contato com a panturrilha, pode causar um corte profundo. Como as águas de enchentes estão carregadas de lixo, as chances de infecções aumentam potencialmente.

Fique atento à rede elétrica, observe os postes de iluminação e tente identificar se existem cabos partidos em contato com áreas alagadas. Evite encostar em postes e placas de sinalização próximas a eles. Redobre atenção em ruas que tiveram quedas de árvores. Ao cair, as árvores podem arrebentar cabos e deixar a região próxima a ela energizada.

Sistemas de freio podem sofrer falhas e reduzir drasticamente a capacidade de frenagem quando estão em contato constante com a água. Em alguns casos, podem parar de funcionar repentinamente. Em dias de chuva, devemos pedalar em baixa velocidade com atenção total às folhas caídas, galhos, sacos plásticos, e objetos que podem entrar na roda e interferir no funcionamento. 

De fato, não é pra ter medo de pedalar na chuva, como se diz por aí: “boralá pedalar na chuva pois a gente não é de açucar”. 

Dica extra para o pós chuva!TOP

Durante os dicas secos, o óleo derramado pelos caminhões e ônibus fica incrustado no asfalto, mas depois de um período constante de chuvas eles começam a escorrer deixando uma mancha colorida. Geralmente depois da chuva, esse óleo fica espalhado na via e isso representa um risco para derrapagens. Ao avistar a mancha, faça o possível para desviar e, se não for possível, reduza ao máximo a velocidade e mantenha o guidom firme sem movimentos bruscos. Jamais acione os freios ao passar por cima da mancha. Ao travar a roda sobre as manchas, as chances de derrapagem aumentam consideravelmente.

Dá pra levar quase tudo na bicicleta

IMG_3564

Tudo que é possível levar na bicicleta, a gente leva! Desde mudanças, compras de supermercado, material de construção, móveis e até pessoas. A nova edição do CTB de Bolso, por exemplo, foi toda distribuída com a cargueira da foto acima.  Com ela, garantimos emissão zero de gases poluentes e ainda mantemos a forma física para o curtir o verão.

Triciclo

Quando compramos algo, a primeira coisa que vem a mente é: dá pra levar de bicicleta? Foi assim que nasceu nosso primeiro triciclo de carga, que foi doado pela Bike Tech. Ele trabalhou duro transportando diversos tipos de materiais, participando de eventos e ajudando amigos a transportar tudo que fosse possível levar. Ele ficou conosco até ser doado para o projeto Passeio Completo, que a batizou de “Carmem Miranda”.

IMG_7981

Para substituir o triciclo, compramos a cargueira da foto acima. Ela levou todo tipo de carga possível e também transportou o jornalista André Trigueiro durante as gravações da reportagem sobre 10 anos do Programa Cidades e Soluções.  Quando a Bullitt chegou, primeira foto, ela foi doada para Ciclo Orgânico, uma empresa carioca que uniu bicicletas e compostagem.

IMG_2852

Cada vez mais presentes nas cidades, com seus diferentes tipos e modelos, as bicicletas de carga são gradativamente mais usadas para também transportar pessoas. Em março de 2019, fomos até o aeroporto Santos Dumont receber o Jonas Hagen, colaborador da TA em Nova Iorque. Pedalamos sob chuva até Copacabana com toda bagagem nas bicicletas. Zero emissão de poluentes, consumo de combustível e muita diversão envolvida. Você já pensou em chegar de viagem e ser levado pra casa de bicicleta?  Assista um vídeo com o mesmo trajeto, realizado em outra ocasião, pelas ciclovias que ligam o aeroporto à zona sul da cidade.

IMG_1304

Também usamos reboques como o da foto abaixo. Eles podem ser uma ótima alternativa para quem não tem espaço para uma bicicleta de carga. Atualmente é possível encontrar uma grande oferta de reboques, com diversos formatos e capacidades de carga, alguns já fabricados no Brasil inclusive. Existem modelos que são projetados especialmente para levar crianças. Mas isso a gente vai contar em uma publicação exclusiva sobre o tema.

IMG_0615

Faz tempo estamos envolvidos com o tema das bicicletas de carga, em 2015, a pesquisa “Contagem de Estabelecimentos Comerciais com Entregas por Bicicleta”, realizada em nove bairros do Rio, mapeou 7524 entregas por dia, sendo o bairro de Copacabana o que realiza mais entregas. Outra pesquisa de 2011 sobre o tema nos rendeu o Prêmio Cycling Visonary Awards e recentemente traduzimos quatro manuais da European Cycle Logistics Federation que tratam sobre diferentes aspectos das bicicletas de carga.

IMG_1279

Existem iniciativas no exterior com sistemas de compartilhamento de bicicletas de carga, quem sabe um dia não temos algo parecido por aqui. seria uma bela oportunidade para que mais pessoas pudessem perceber que dá pra levar muitas coisas na bicicleta, com custo mais baixo, com mais diversão e muito mais qualidade de vida.

Mapa Cicloviário do Rio de Janeiro em nova fase

map3

Em 2011, no Rio de Janeiro haviam diversas iniciativas de mapas envolvendo o tema bicicletas, eram mapas com ciclovias, outros com bicicletários, lojas e oficinas e mais. No início de 2012, entramos em contato com todos os desenvolvedores para unificar estes mapas, assim surgiu o Mapa Cicloviário Unificado do Rio de Janeiro.

mapa_15_11_2013

De lá pra cá, o mapa foi crescendo e amadurecendo, passou por diferentes layouts e hoje chega a quase  dois mil pontos mapeados.

nmap

A repercussão foi tão boa que chegamos a fazer um tutorial, para quem quisesse fazer o seu próprio mapa local, o que resultou em mais de dez mapas feitos com a mesma estrutura encontrada no tutorial, alguns deles hospedados por nós.

mapas

Chegou também a ter aplicativos para celulares que trabalhavam baseados nos dados do mapa base, o Rio de Bicicleta para Android e o CicloviaRio para iOS, ambos vencidos pelos avanços da tecnologia, e uma página exclusiva sobre o mapa no site TA.

app_3

O mapa tinha sua estrutura baseada na tecnologia Google Fusion Tables, que foi descontinuada no início deste mês, tirando do ar todos os mapas feitos com essa tecnologia. Por sorte, um dos principais pilotos do mapa TA, Arlindo Pereira, sempre subiu todos os dados também para o OSM – Open Street Maps e com isso conseguimos alguns dias após a extinção do Fusion Tables, voltar ao ar com uma nova versão desenvolvida pelo Arlindo e aprimorada e ajustada pelo Cristiano Dalbem, desenvolvedor do Bike de Boa e do Ciclomapa, que nos ajudou a colocar no ar a versão atual, que funciona tanto no PC quanto em celulares e tablets. Seguiremos atualizando e desbravando novas tecnologias para manter o mapa no ar com informações valiosas pra quem pedala pelo Rio de Janeiro. Clique na imagem abaixo e confira!

map3

Promovendo as Bicicletas de Carga

Cargo_Guides

Em junho, durante a 6º Conferência Internacional de Ciclologística em Dublin, Irlanda, a European Cycle Logistics Federation, lançou como parte de seu atual projeto CCCB City Changer Cargo Bike, quatro guias que promovem o uso de bicicletas cargueiras em diferentes setores; Crianças e Família, Prefeituras, Revendedores e ainda 20 Razões para usar. Os guias fazem parte da estratégia para aumentar as vendas e o uso de Bicicletas de Carga na Europa.

Bicicletas de carga tem se destacado como uma excelente ferramenta para lidar com mudanças climáticas e novos problemas urbanos do Século XXI. A Transporte Ativo já vem lidando com o assunto ao mesmo tempo em que traduz artigos e materiais importantes ainda pouco divulgados por aqui. Então imediatamente entramos em contato com a European Cycle Logistics Federation, pedindo autorização para traduzir este importante material. Autorização dada, o trabalho se iniciou e agora temos o prazer de divulgar aqui o lançamento das versões online dos 4 guias em português.

Clique na imagem acima ou aqui para acessar os guias.

Roda de Conversa Pedestres

IMG_5764

Na quinta e última Roda de Conversa sobre Mobilidade Ativa no Museu do Amanhã em 2019, o tema foi Pedestres e para falar sobre esse importante tema da mobilidade urbana os convidados foram Thatiana Murillo fundadora do Caminha Rio, Danielle Hoppe gerente de transportes ativos do ITDP Brasil e o Prof. Julio Loureiro pesquisador de mobilidade urbana vencedor do prêmio Walking Visionary na conferência WALK21 2015. Thatiana abriu a conversa falando sobre os desafios de se caminhar nos grandes centros urbanos, seguida pela Danielle que ressaltou detalhes e ainda falou sobre as dificuldades de se incluir o assunto na pauta das administrações municipais. Antes da abertura da conversa para os participantes, o Prof. Julio Loureiro, recém chegado da WALK21 2019, onde foi à convite da TA, nos falou sobre possibilidades que o caminhar pela cidade pode nos proporcionar, incluindo entregas a pé, que tem um potencial gigantesco, muito pouco aproveitado na rotina das grandes cidades e ainda nos apresentou um panorama do que vem sendo pensado e tratado sobre o tema ao redor do planeta.

IMG_5768

As Rodas de Conversa Sobre Mobilidade Ativa, foram realizadas através de uma parceria entre a Transporte Ativo e o Museu do Amanhã, com o objetivo de ampliar o tema mobilidade nas atividades do Museu e em busca de novos públicos para a TA. Elas aconteceram aos segundos sábados de cada mês e esperamos renovar a parceria para em 2020 continuarmos com este importante canal de troca de ideias, informações e novas parcerias. Os temas abordados nas cinco edições de 2019 foram: Velo-city 2019, Cicloturismo, Livros & Bicicletas, Pedalando com as Crianças e Pedestres.  Além das rodas de conversa, a parceria com o Museu do Amanhã em 2019 nos trouxe ainda os Encontros sobre Mobilidade Ativa nos meses de Setembro e Outubro, Jogos de Bicicleta, nas férias do Museu e no dia das Crianças e o espetacular Mauá 360°, previsto para se repetir em Janeiro 2020.