Nova fase no Monitoramento de Bicicletas em Niterói!

niT2022Por diversos anos consecutivos nosso contador automático e portátil de ciclistas foi para Niterói, para em parceria com o Programa Niterói de Bicicleta e o Mobilidade Niterói, realizar uma série histórica de contagens. Propiciando uma excelente leitura da movimentação dos ciclistas locais e mostrando a importância das ciclovias e ciclofaixas neste processo. Monitorando, podemos validar o sucesso de uma infraestrutura cicloviária, do investimento envolvido e planejar melhor.

Cientes da importância de um bom monitoramento, o Niterói de Bicicleta dá uma pedalada à frente instalando 11 contadores fixos permanentes, um deles com totem mostrando os números do local, e uma plataforma pública para visualização dos dados. Clique na imagem abaixo para ir para a plataforma.

ContaBike

Tivemos ainda a honra de sermos convidados para participar da mesa de lançamento do novo programa de monitoramento, aonde falamos um pouco sobre a série histórica de contagens na cidade e a participação dos contadores Eco-Counter no processo.

ContaBike2

Cidades inteligentes são aquelas que investem em conhecimento sobre sua dinâmica para poder agir com sabedoria, alocando recursos físicos, humanos e financeiros onde será mais evidente o retorno para a população em qualidade de vida. A gestão pública que aprende constantemente pode acertar mais e corrigir os seus eventuais erros mais rapidamente. Investir na bicicleta é sucesso certo em todas as cidades, ainda assim é preciso fazê-lo com muitos critérios e os dados são fundamentais para isso.

Pedalada Entre Museus Acessíveis | maio/2023

EMA231c

No retorno das Pedaladas Entre Museus Acessíveis 15 ciclistas surdos e 3 cegos inauguraram a temporada 2023 do já consagrado passeio guiado entre o Museu do Amanhã e o Museu da República. Com a renovação do projeto a previsão é de atender mais de 120 pessoas portadoras de deficiência auditiva e visual em 7 rodadas.
Como no ano passado fazemos várias paradas para pequenas e valiosas aulas sobre a história da nossa cidade maravilhosa que fica ainda mais bela quando é explorada com bicicletas.

EMA231a

Na manhã do dia 20 de maio de 2023 partimos da Praça Mauá em direção ao bairro do Catete, mais especificamente para o belo jardim do Museu da República. Com paradas no Largo da Misericórdia e no Museu de Arte Moderna, educadores do Museu do Amanhã trouxeram histórias sobre o Carnaval e, com a ajuda da áudio descrição e de intérpretes de Libras, pessoas surdas e cegas são contempladas e incluídas em atividades culturais em que normalmente não conseguem participar plenamente.

EMA231b

Entre Museus Acessíveis é curtir a cidade em duas rodas numa bela manhã de sábado, conhecendo parte da história do Rio, compartilhando a cidade e convivendo com pessoas tão especiais.

A bicicleta e a qualificação da pressa na vida moderna

DHAraras89

Campanhas e regulamentos de trânsito modernos e verdadeiramente focados na preservação da vida adotam diversas formas de acalmar os ânimos dos condutores de veículos motorizados nas ruas.
E a bicicleta? O que tem a ver com isso?
Como o veículo humanizado mais comum nas cidades o aumento do uso da bicicleta exerce um papel forte e natural na redução das velocidades praticadas por motoristas e motociclistas, sem a necessidade dos impopulares quebra-molas/lombadas e radares de velocidade.
Por outro lado, a falta de tempo é cada vez mais comum no nosso cotidiano e a bicicleta é, em várias situações, a forma mais rápida de se deslocar pelas cidades, especialmente as grandes, mas também nas cidades médias do Brasil.
Claro que ainda é preciso manter o senso de coletividade e não pedalar em uma velocidade relativamente alta nas calçadas, parques e afins. Pois aí você se torna o opressor, ameaçando a integridade de pedestres no espaço destinado para eles. Pensa bem! Não é porque algumas ruas tem trânsito hostil às bicicletas que você vai fugir para pedalar na calçada imitando a agressividade que motoristas praticam nas ruas para tornar a caminhada do pedestre menos segura.

Eis que surge e se consolida nas ruas um novo elemento, o veículo elétrico. Com poluição e ruído zero, baixíssimo custo de abastecimento e menor custo de manutenção que um motorizado a combustão, ainda que mais caros de se comprar. E, no caso dos ciclomotores e bicicletas elétricas, sem necessidade de emplacamento. Tudo isso embalado em um papel verde, bonito e brilhante de que é um veículo mais amigo do meio ambiente faz cada vez mais pessoas adotarem o elétrico. Girar a economia e atender os anseios dos consumidores é louvável, mas em meio  a tantas e boas intenções, é preciso considerar que a velocidade sempre seduziu mentes e corações.
E o elétrico, com sua forte aceleração tem conquistado cada vez mais o consciente e o sub-consciente dos seus condutores. Mas uma parcela dos humanos nascidos aqui (e o mesmo acontece em outras partes do mundo) deixa o bom senso e o espírito de coletividade em casa ou joga fora mesmo, e aí abusa. Nas ciclovias e ruas é crescente o conflito entre pedestres/ciclistas e ciclomotores elétricos conduzidos em velocidade incompatível. Aumentou a pressa e a vontade de correr, o elétrico atende a essa dupla ânsia por velocidade e o perigo é maior.
É claro que algo precisa mudar.
Com legislação e fiscalização diriam uns, com educação e conscientização diriam outros. Banir é um caminho obtuso, polêmico, adotado em algumas cidades, mas regulamentar tem sido o mais usual.
E aqui sugere-se um outro caminho.
Vamos qualificar nossa pressa, refletir sobre a relação da economia de tempo com aumento da insegurança. Até onde vale a pena correr (com elétricos ou não) para ganhar uns poucos minutos? O quanto de nossa pressa tem a ver com falhas de planejamento e organização antes de sair para algum compromisso? Sair atrasado e tentar compensar no trajeto é coerente e racional? Ou será que conduzimos rápido apenas por prazer/ satisfação com a velocidade?
Condutor de bicicleta, ou de ciclomotor elétrico, não precisa ter pressa pois será mais rápido que qualquer um no trânsito engarrafado. É um paradoxo, o veículo mais lento cumpre alguns trajetos mais rápido que os velozes a combustão. E se equilibrar a velocidade vai cumprir seu trajeto com muito mais tranquilidade, prazer e segurança, sem perder tempo. Saia mais cedo para ir mais devagar e chegar ao destino na hora desejada/marcada sem perder o tempo de aproveitar o espaço público de onde você mora, humanizando sua rua, seu bairro, sua cidade. Inverta a lógica da pressa para a lógica de qualificar seu tempo.

Vento e sorriso no rosto, mais calma na pilotagem e o trânsito vai ficar mais agradável e seguro por ação dos próprios condutores. Viva a sua cidade! Sem pressa e com gentileza!

Tem até música para embalar sua reflexão (letra abaixo):

Os curiosos atrapalham o trânsito
Gentileza é fundamental
Não adianta esquentar a cabeça
Não precisa avançar no sinal
Dando seta pra mudar de pista
Ou pra entrar na transversal
Pisca alerta pra encostar na guia
Pára brisa para o temporal
Já buzinou, espere, não insista,
Desencoste o seu do meu metal
Devagar pra contemplar a vista
Menos peso do pé no pedal
Não se deve atropelar um cachorro
Nem qualquer outro animal
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Motoqueiro caminhão pedestre
Carro importado carro nacional
Mas tem que dirigir direito
Para não congestionar o local
Tanto faz você chegar primeiro
O primeiro foi seu ancestral
É melhor você chegar inteiro
Com seu venoso e seu arterial
A cidade é tanto do mendigo
Quanto do policial
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Travesti trabalhador turista
Solitário família casal
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Sem ter medo de andar na rua
Porque a rua é o seu quintal
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Boa noite, tudo bem, bom dia,
Gentileza é fundamental
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Pisca alerta pra encostar na guia
Com licença, obrigado, até logo, tchau.
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual
Todo mundo tem direito à vida
Todo mundo tem direito igual

 

Travessia Cidade Universitária – Cajú

Caju_1

Desde o dia 22 de setembro de 2023 existe um caminho para ir da Cidade Universitária, na Ilha do Fundão, até a Rodoviária Novo Rio. Mas só para aventureiros, como o ciclista inveterado Alex U-Biker, os 5 Ciclanos e o barqueiro Denis Hop.

Caju_2

Em 2010 U-Biker trouxe para a Transporte Ativo uma campanha por uma Ilha do Governador mais ciclável, com o relatório de uma rota onde a maioria dos ciclistas já utilizava, sem proteção. Era o Anel Cicloviário da Ilha do Governador, incorporado pela Prefeitura do Rio, nas obras olímpicas.

Caju_3

A nova investida, em formato de campanha aberta, é conseguir uma eco-balsa para ligar o píer do Parque Tecnológico do Fundão até o píer dos pescadores no Caju. E dali completar 2,3 km de ciclovias e sinalizações até a Rodoviária, pelas ruas do Caju e a calçada do Porto do Rio.  Nas primeiras viagens que o grupo fez, a média da travessia é de 20 minutos, mas eles usam barcos dos pescadores, que demoram a embarcar e desembarcar. Num projeto incorporado e finalizado, talvez leve 15 minutos.

Caju_4

Da Rodoviária em diante existem ciclovias e ciclofaixas até o Centro e Zona Sul. O caminho liga, literalmente, a Zona Norte à Zona Sul, para as bicicletas. O público estimado no relatório da campanha, é de no mínimo 500 usuários por semana. Tem milhares de alunos da Zona Sul na UFRJ que vão para a universidade todo dia de carro. Se usarem a bicicleta apenas duas vezes por semana, faça as contas da redução de veículos nas ruas e avenidas.

Caju_5

O projeto foi desenvolvido junto com a TA e o Movimento Baía Viva, onde o cicloativista trabalha como jornalista. Em março Os Ciclanos começam a realizar passeios saindo da Ilha do Governador para conhecer a ciclovia do Fundão e suas atrações de cicloturismo. E preparam uma pesquisa no Caju para avaliar as necessidades dos ciclistas locais e suas opiniões sobre a nova ciclorrota.  Mais detalhes, no Formulário dos Ciclanos.

Caju_6

Texto: Alex U-biker

Conexões Cicloviárias Cariocas

CET-Rio

É muito bom ver em tão pouco tempo, ideias se concretizarem, irem para o papel e saírem para as ruas. Em 2021 a bicicleta entrava no Plano Diretor da Cidade, com participação popular através da plataforma participa.rio. Em seguida veio o Plano Estratégico e mais uma vez as bicicletas estavam presentes e a sociedade civil também. É publicado então o decreto RIO Nº 49461 DE 21 DE SETEMBRO DE 2021, que dispõe sobre a ampliação da Rede de Mobilidade por Bicicleta do Município do Rio de Janeiro, validando o que foi dito, pensado e discutido em conjunto. Em seguida surge o Plano de Expansão Cicloviária Carioca detalhando tudo, com outras rodadas de participação popular nas diferentes regiões da Cidade, além disso, uma análise do fluxo de ciclistas realizada pela TA em parceria com ITDP, LabMob e CET Rio, apoiou com informações e dados o Plano Cicloviário e o Distrito de Baixa Emissão. Em meados de 2022 o plano fica pronto e começa a ser implantado. Agora em 2023 segue firme com novas rotas conectando antigas e novas vias para ciclistas às estações de transporte público de alta e média capacidade, tornando possível chegar de bicicleta às 266 estações em operação do BRT, metrô, trens, barcas e VLT. Neste link, você pode ver algumas fotos e as conexões.

Parabéns a todas as Secretarias, organizações, pessoas diretamente envolvidas e aos cidadãos e cidadãs que participaram do processo!

Para conhecer a história com mais detalhes, vá clicando nas palavras grifadas em azul ao longo do texto, que direcionam para os assuntos.