Pedalada Entre Museus Acessíveis | 6ª Rodada

ema62

Vivemos numa país de contrastes e de desigualdades. Imensos desafios para serem enfrentados com políticas públicas, investimentos em desenvolvimento humano e ações de curto, médio e longo prazo. É muito importante levar educação, cultura, esporte a todas as pessoas para que elas cresçam como seres humanos e nossa sociedade seguirá no caminho da igualdade, da justiça e da fraternidade.
Entre guias, educadores. professores, intérpretes de libras e as crianças e adolescentes surdos de Magé, participantes do Entre Museus, éramos cerca de 40 pessoas que por 2 horas puderam vivenciar essa micro ação com macro resultados.

ema61

Numa pedalada pela história do centro do Rio, os pequenos e atentos jovens de Magé aprenderam com o historiador Deivid um pouco do que explica a origem dos problemas citados mais acima, e que eles não precisam (e não vão) prevalecer. Entre uma aula e outra curtiram a liberdade divertida da bicicleta no que para muitos foi um passeio inédito pelo centro e zona sul da capital carioca. No nosso roteiro nada surpreende quem vive na capital ou já conhece, mas é uma descoberta incrível para quem é carente dessas oportunidades, como para quem nunca saiu do fundo da Baía de Guanabara. Vimos o deslumbre a euforia a cada nova paisagem, prédio ou atração.

ema63

Para a TA é um privilégio e uma honra ter essa parceria com o Museu do Amanhã para renovar aquela sensação mágica da primeira pedalada, mesmo para quem já sabe andar de bicicleta. Esta que é a melhor invenção para conhecer, com sua própria força, um lugar novo, uma história nova, uma esperança nova de que cada vez mais pessoas tenham liberdade de escolha do que ser e fazer e capacidade para isso. A bicicleta, como a educação, não pertence à estrada, as virtudes das duas permitem que elas façam o próprio caminho.
Construa e eles virão, dê oportunidades e eles crescerão. Vamos de bicicleta?

ema64

Transporte Ativo no Festival Internacional de Bicicletas de Carga 2022

d

No final de outubro estivemos em Amsterdam para o ICBF (International Cargo Bike Festival), Desde 2012 os organizadores reúnem anualmente representantes do setor público e privado, empresas de logística, terceiro setor e público em geral, interessados em conhecer e incentivar o transporte de cargas por bicicletas e triciclos. Prática que pode melhorar a vida nas cidades pois diminui congestionamentos, melhora a qualidade do ar e ainda reduz os custos.

g

Neste ano o evento buscou otimizar custos e dividiu o Pavilhão de Exposições com o evento World of e-mobility. Convidados a palestrar no salão principal levamos uma apresentação sobre a Cultura da Bicicleta de Carga no Rio de Janeiro. Na plenária, 30 europeus, americanos e asiáticos viram como as bicicletas tem um papel importante na entrega de cargas e encomendas na capital carioca, chamando atenção que 100% dos veículos são muito simples, até limitados em relação aos modelos utilizados no Hemisfério Norte. O que não impede a grande relevância das entregas por transporte ativo e que não são exclusividade do Rio de Janeiro. Recebemos avaliações e sugestões valiosas para ajudar a melhorar nossa atuação nesta área.

c

Praticamente todos os expositores levaram exclusivamente cargueiras e triciclos elétricos para o Pavilhão, marcando bem o caminho escolhido no velho mundo para a descarbonização dos transportes de carga, embora essa predominância não seja uma unanimidade completa. Encontramos um expositor com uma belíssima bicicleta cargueira amarela (acima) inteiramente projetada e construída com muito esmero pelo criador da empresa ten:07.

a

Na pista de testes pudemos experimentar excelentes cargueiras de produção e alguns protótipos o que deixa claro que a carga ainda será levada a pedal e a tendência é de aumento do uso das magrelas para este serviço. E que seja, preferencialmente com uso maior de modelos ativos que motorizados, mais caros e menos sustentáveis.

e

Em Amsterdam é tímido uso de cargueiras levando mercadorias, de 10 a 20%, segundo Jost Sluijsmans no webinário “Where the Cargos, Bikes Go”, enquanto por aqui praticamente 100% das bicicletas de carga são usadas para entregas e serviços. Lá o transporte de crianças é mais comum e cresce segundo os locais, mas com grande predomínio de modelos eletrificados. Cargas são entregues com vans e caminhões motorizados, cada vez mais elétricos e, não raro, seguem a cartilha de parar em calçadas sem muita cerimônia. Sem dúvida é um demérito, mas como vivenciamos  em Amsterdam um respeito maior aos ciclistas é evidente o grande potencial de humanizar ainda mais a cidade com o estímulo ao uso das bicicletas para entregas na última milha, alinhando a logística de bens e serviços ao que já é modelo quanto à mobilidade de pessoas.

f

Tivemos ainda a oportunidade de estar pessoalmente com Jos Sluijsmans e Tom Parr (de preto), organizadores do International Cargo Bike Festival e Melissa Bruntlett, Modacitylife que foi a anfitriã do auditório e das palestras.

Pedalando pelo Bem-Estar

be6

   Suprir suas necessidades e se satisfazer com a vida. Este é um conceito de bem-estar e a bicicleta é mais uma vez uma forte aliada para esta virtude humana. Não só pela promoção da saúde do indivíduo (pelo exercício) e coletiva (transporte limpo), mas pela alegria de se mover pela sua própria força, sentindo o vento no rosto, o sol, a chuva, na máxima realização da liberdade.

BE2

BE3

E no sábado passado, a convite do Setor Educativo do Museu do Amanhã, nos juntamos à programação do Dia do Bem-Estar, organizando um passeio pelo centro do Rio de Janeiro. A cada parada o historiador David, que já nos guia no Entre Museus Acessíveis, nos presenteou com pequenas aulas sobre nossa história, não tão agradável quanto o passeio, mas fundamental para o nosso bem-estar. É preciso conhecer suas origens para entender no que nossos antepassados erraram, garantindo assim que no presente e no futuro a saúde e o bem-estar coletivo sejam objetivos diários. Viver em sociedade é saber compartilhar espaços, respeitar o próximo e cuidar da cidade como se fosse nossa casa. Nada melhor que experimentar isso em bicicletas.

BE4

Pedalamos juntos e em harmonia pela história da cidade vendo, ouvindo, refletindo sobre o passado, o presente e o futuro. Num lindo dia agradável e quente em que a companheira de duas rodas serviu direitinho para dar o ritmo de uma desejada evolução como seres humanos e sociedade, devagar mas sempre, leve e suave com plena satisfação pela vida, que é mais feliz para quem pedala.

BE5

3º Encontro Bicicletas e Meio Ambiente | Bicicletas, Políticas Públicas e Meio Ambiente

EBMA4

A ideia de que o que é público não tem dono não poderia ser mais equivocada. A Rua não tem um dono, mas é de todos. O espaço mais democrático e de maior convivência das cidades precisa de atenção constante e de reformas e atualizações na forma como ela é projetada, construída, reformada e usada.
Uma das melhores formas de se fazer essa evolução começar e ser concluída no tempo adequado é através de políticas públicas. Estas são ações e programas que são desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em prática direitos que são previstos na Constituição Federal e em outras leis. São medidas e programas criados pelos governos dedicados a garantir o bem estar da população. (Fonte: Stephanie Macêdo – Rede Alese)
O aspecto mobilidade é apenas um dos que podem melhorar nos espaços urbanos através de boas políticas públicas. O atual modelo de mobilidade, baseado no transporte motorizado não consegue mais atender às necessidades de movimentação de pessoas com segurança, qualidade, baixo custo e impacto ambiental. É preciso repensar, reprojetar, vencer desafios modernos para promover a sustentabilidade nas ruas, nos transportes e na mobilidade urbana.

Já a alguns anos que Niterói tem investido em redesenhar sua organização espacial em busca de alcançar o século XXI na mobilidade e muito do que vem sendo proposto e implantado vem do Programa Niterói de Bicicleta. Filipe Simões, arquiteto, urbanista (e ciclista, claro) é o atual coordenador do Programa e esteve no último sábado na Toca, no Rio de Janeiro para debater com mais 23 cidadãos cariocas e fluminenses como tornar nossas cidades mais humanas através da promoção ao uso da bicicleta e como nossa qualidade de vida e o meio ambiente podem melhorar com os impactos positivos de Niterói ter mais bicicletas nas ruas.

Ouvindo seus relatos pudemos entender que o desafio é imenso, mas que é preciso estar presente na administração pública para debater, propor e ir de encontro a essa cultura motorizada ultrapassada, que ainda não enxerga a mobilidade ativa como relevante e digna de investimentos para que as pessoas circulem melhor pela cidade. Há resistência em cada esquina, mas há conquistas sólidas e inquestionáveis que reforçam a certeza de que cidades como Niterói e Fortaleza seguem a rua certa para garantir o crescimento no uso da bicicleta como meio de transporte, esporte, lazer ou negócio.

Em breve, novos Encontros sobre Bicicletas e Meio Ambiente serão marcados, sempre com apoio do Itaú Unibanco. Fique atento para comparecer, conversar, trocar ideias e nos ajudar a tornar nossas cidades mais cicláveis, mais humanas e ambientalmente equilibradas.

Pedalada Entre Museus Acessíveis – Agosto

EMA43

Na véspera do Dia do Voluntariado reunimos uma equipe de 13 ciclistas que não são os mais fortes, mais rápidos ou mais habilidosos, mas que dedicaram 110% de seu altruísmo para conduzir, acompanhar, suportar e empoderar jovens surdos de uma escola de Duque de Caxias, no Pedal Entre Museus Acessíveis. As equipes do Educativo do Museu do Amanhã e da TA tiveram mais uma vez o privilégio de receber 19 pessoas, entre surdos e ouvintes para a 4ª manhã de pedal, história, superação e inspiração. Muito se engana quem pensa que o voluntário está em uma via de mão única, doando seu tempo e ajudando alguém. Neste sábado pudemos perceber claramente que é uma via de mão dupla.

ema45

Por exemplo: o que fazer diante de alguém com medo de pedalar? Para uma pessoa plena o desafio pode ser grande, mas imagine se for um jovem surdo e com um leve problema motor? Um baita desafio, talvez impossível. Será que ele conseguiria? E o voluntário que o conduziria na tandem? Como conquistar a confiança em tão pouco tempo? Mas todos que já pedalaram sabem que basta ter um pouco de coragem para encarar e vencer o medo. Melhor ainda se um voluntário dedicar carinho e atenção verdadeira nesse processo. Também ajuda que o aspecto lúdico da bicicleta é muito atraente. A liberdade, a endorfina do exercício, a emoção da velocidade gerada pela sua própria força são estimulantes. Em pouco tempo aquele medo deu lugar à alegria de estar em uma bicicleta curtindo muito. Pedalando em um grupo com tantas outras pessoas que comungam do mesmo desejo de aproveitar a vida sobre a bicicleta nos sentimos e ficamos mais fortes, protegidos, menos vulneráveis, menos imperfeitos e, claro, mais felizes.

EMA42

Como de praxe nosso historiador David deu pequenas e valiosas aulas sobre fatos históricos a cada parada, colocando com propriedade como nossa história se desenrolou e nos convidando a refletir sobre o presente e qual futuro desejamos para nossa cidade e para o País. O dia lindo e quente nos presenteou com as belezas do centro, da Baía de Guanabara e do Aterro do Flamengo, muito melhor curtidas numa bicicleta ou caminhada. E assim seguimos levando quem pedala muito ou pouco nesse passeio ciclístico inclusivo que seguirá ocorrendo no último sábado do mês, até novembro. O próximo está programado para o dia 24 de setembro.

EMA44

Obrigado à equipe do Museu do Amanhã e aos voluntários reunidos pela TA. Parabéns pelo Dia do Voluntariado!
Programação e inscrições pela página do Museu do Amanhã clicando neste link.