Faça um jornalista se apaixonar pela bicicleta

A relação entre quem busca promover a bicicleta e a mídia nem sempre flui da melhor maneira. Há muitas vezes um ruído de comunicação e as famosas “pautas prontas” em que jornalistas saem a caça de “especialistas” para poder confirmar uma ideia pré-concebida. Em relação aos ciclistas, nem sempre somos capazes de construir um discurso claro e adequado ao veículo e à pauta. Pior ainda, os “cicloativistas” ultimamente tem sido depreciados por colunistas da grande imprensa.

Um texto da Federação Européia de Ciclistas traz alguns pontos fundamentais que são válidos também aqui no Brasil. A inspiração para o artigo vem de uma campanha iniciada pelo tradicional (e conservador) periódico inglês The Times. Após o atropelamento de um de seus jornalistas, eles iniciaram uma campanha em prol da bicicleta em Londres e, claro, em defesa da segurança viária. Um ato infeliz muito perto do dia a dia do jornal motivou a uma mudança radical de posição, mas não precisa ser assim. Afinal o que menos precisamos é vincular a bicicleta a tragédias, mortes e às páginas policiais.

Pautar a mídia em favor da bicicleta não é fácil, afinal a quantidade de programas policialescos e a repercussão dos crimes de trânsito acaba alimentando um círculo vicioso de más notícias. De qualquer forma, alguns passos podem ajudar a promover a bicicleta de uma maneira positiva e deixar os jornalistas apaixonados por esse veículo, de duas rodas.

Torne a Bicicleta atraente

Mikael Colville-Andersen pode até ser acusado de ter um plano complexo de seduzir jornalistas e atraí-los para as bicicletas. O modus operandi é bastante simples. Tudo começou com uma bela foto de uma moça em roupas casuais parada em um semáforo qualquer em Copenhague. Dali nasceu o movimento “cycling chic”.

A estratégia certamente provou-se um sucesso, afinal todo mundo gosta de beleza e imagens bonitas de pessoas pedalando certamente ajudam a vender jornais e revistas.

Um outro exemplo na mesma linha são os desafios intermodais, uma iniciativa simples que mostra que no trânsito travado das grandes cidades a bicicleta é uma maneira atraente de se deslocar com velocidade.

Infraestrutura do tipo faça você mesmo

Antes das imagens de uma ciclofaixa cidadã feita no México, os cicloativistas paulistanos já estavam à solta munidos de stencils desenhando bicicletinhas no asfalto. O exemplo se espalhou, e os curitibanos que adaptaram a ideia no Paraná acabaram sendo multados por crime ambiental e hoje estão às voltas com a justiça tentando resolver a questão.

Já os pares mexicanos obtiveram grande êxito em chamar a atenção para a necessidade de infraestrutura segura para a circulação de bicicleta. Apesar de poder ter consequências negativas, infraestrutura cicloviária do tipo “faça você mesmo” costuma ser uma pauta positiva e que gera um debate social necessário.

Ciclistas Infiltrados

Com o aumento no número de ciclistas essa é uma tendência inexorável e que traz enormes frutos. Esses ciclistas invisíveis, carinhosamente chamados de infiltrados, estão em toda parte e dentro de uma redação jornalística são capazes de influenciar colegas que não pedalam a ver a bicicleta com bons olhos.

Talvez exatamente por isso o projeto Bikeanjo seja tão genial e tenha tido uma repercussão tão positiva junto à mídia brasileira. Ao invés de uma entrevista por telefone, ou um bate papo em alguma esquina, o bikeanjo sempre escolta o jornalista para conhecer a realidade das ruas. Nem todos tornam-se ciclistas no dia a dia, mas certamente o vento no rosto e a lembrança daqueles momentos de infância ajudam qualquer um a falar bem da bicicleta.

Esqueça os ciclistas

Esse ponto a princípio pode parecer até controverso, mas na tese defendida pelo consultor de mobilidade Gil Peñalosa ele acredita que “não devemos falar sobre ciclistas“.

“Imagine que uma cidade tem 2% dos cidadãos que são usuários da bicicleta e 60% utilizam o carro. As pessoas dirão que você está contra os 60%”, completa.

A adoção de Zonas 30, cada vez mais comuns na Europa, bem como no Rio de Janeiro, é uma iniciativa que beneficia antes de mais nada as pessoas. É a melhor forma de fazer com que nossas cidades tenham mais qualidade de vida, ao invés de serem um emaranhado de vias expressas. Uma iniciativa feita para beneficiar os ciclistas, mas que atinge de maneira positiva todos os cidadãos.

Tornar nossas cidades lugares melhores para pedalar talvez passe justamente por deixar de lado o “cicloativismo”, e pensar na qualidade de vida de nossas cidades. Afinal o confronto e o foco excessivo nas necessidades dos ciclistas é o que motiva colunistas de jornal a apelidarem os cicloativistas de “talibikers”, ou outros termos pejorativos.

Mais do que cidades para bicicletas, precisamos humanizar o ambiente urbano e um bom relacionamento entre jornalistas e nossa querida bicicleta é certamente um bom caminho.

2 comentários em: “Faça um jornalista se apaixonar pela bicicleta

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *