E o Samba voltou

Bicicletas Azuis

Bicicletas azuis

Luz solar e vigilância

Câmeras nas estações

Estação Piloto, com RioCard

Novas formas de retirar a bicicleta, novas tarifas e…

Integração com o RioCard

uma estação piloto com Rio Card.

O grave revés que paralisou o sistema não significou uma pausa nas melhorias. Tudo para que os clientes já cadastrados possam voltar a usufruir do serviço sem prejuízo do tempo de paralização.

Espera-se também que os cadastramentos e a expansão da base de usuários siga no mesmo ritmo de antes, para que o Rio mantenha seu rebolado no ritmo das pedaladas, durante todo o ano.

Para mais informações, visite o site, que também foi reformulado: www.mobilicidade.com.br/rio.

Relacionados:
Como Utilizar as Bicicletas de Aluguel Cariocas
Rio Perde Provisoriamente o seu Rebolado
Receita para SAMBA

6 comentários em: “E o Samba voltou

  1. Recentemente mudei de trabalho do Rio para Sampa e posso dizer q achei melhor (pelo menos à primeira vista) o esquema de aluguel das bikes aqui na capital paulista. Aliás, tanto de aluguel como de estacionamento das bicis.

    Vc faz um cadastramento rápido (id e cpf) e pode alugar uma bici (padrãozão, da Porto Seguro). O empréstimo é gratuito (“0800” !!!) por 1 hora e ainda pode deixar a bici alugada em qq outro bicicletário do metrô. Tem 15 à disposição (das 6 às 22 h). E mais outras 7 estações tem só estacionamento. Depois de 1 hora paga $2 por cada hora a mais.

    (Tem um folheto q vc pega nas estações q explica BEM todos os detalhes, como q faz para se cadastrar, pagar etc.)

    Eu já cheguei a usar diversas vezes para estacionar a minha e sem problemas. Senti muito + firmeza pq ficam cobertas tem sempre um funcionário “de olho”, já te dá uma “certa segurança”. Embora não queira afirmar que é 100% seguro. (o que é 100% seguro hj em dia?!?!?) Também não ficam expostas ao tempo (como as q eu vi paradas na 1a. versão do “SAMBA” carioca. Não sei como ficou agora….

    De qq forma achei louvável a reabertura do projeto, pq a cultura é assim mesmo, vai se fazendo aos poucos, errando, corrigindo até acertar. Vale lembrar q os parisienses também tiveram (e ainda têm) diversos problemas com o Velo deles, a turma de Barcelona tbem. Lá, com certeza menos do que aqui, mas estão se acertando, trazendo cada vez mais a visão de que usar bicicleta no dia-a-dia não é um “bicho de sete cabeças”.

    cicloabraços, gALLera.

  2. Pingback: SVicente’s Blog

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *