Pedalando na chuva com segurança

167

Foto: Elena Landau

Pedalar na chuva é algo que vai acontecer cada vez mais, tanto por conta da crise climática que estamos enfrentando e também porque diante do caos motorizado nas cidades, é melhor chegar rápido e molhado do que passar horas ilhado dentro de um carro. 

Você vai encontrar na Internet diversas dicas sobre como pedalar na chuva. O portal Vá de Bike faz uma lista de 10 dicas sobre equipamentos e como se manter seco durante a pedalada. Aqui, gostaria de chamar atenção para algumas situações que precisamos ter em mente ao pedalar na chuva e que não estão basicamente relacionadas à bicicleta, mas ao seu entorno.

Durante chuvas fortes, é comum surgirem buracos perigosos em trechos que estamos acostumados a pedalar. Por isso, é extremamente importante aumentar o cuidado com as poças e áreas alagadas, elas podem esconder verdadeiras crateras que podem nos levar ao chão e causar sérias lesões.

Em dias secos, avistamos facilmente ralos e bueiros sem tampa, todavia, com as chuvas e o alagamento das ruas, algumas tampas se desprendem dos bueiros por ação da correnteza deixando o vão aberto, o que representa risco de queda. Evite pedalar muito próximo aos bordos da via, local onde geralmente esses ralos e bueiros estão posicionados.

Por conta dos pés molhados, o risco de escorregar e se ferir com as travas da coroa aumenta. Isso pode acontecer porque alguns tipos de calçados perdem o atrito com o pedal. Algumas bicicletas contam com protetor de corrente, mas as Mountain Bikes deixam a coroa livre e, em contato com a panturrilha, pode causar um corte profundo. Como as águas de enchentes estão carregadas de lixo, as chances de infecções aumentam potencialmente.

Fique atento à rede elétrica, observe os postes de iluminação e tente identificar se existem cabos partidos em contato com áreas alagadas. Evite encostar em postes e placas de sinalização próximas a eles. Redobre atenção em ruas que tiveram quedas de árvores. Ao cair, as árvores podem arrebentar cabos e deixar a região próxima a ela energizada.

Sistemas de freio podem sofrer falhas e reduzir drasticamente a capacidade de frenagem quando estão em contato constante com a água. Em alguns casos, podem parar de funcionar repentinamente. Em dias de chuva, devemos pedalar em baixa velocidade com atenção total às folhas caídas, galhos, sacos plásticos, e objetos que podem entrar na roda e interferir no funcionamento. 

De fato, não é pra ter medo de pedalar na chuva, como se diz por aí: “boralá pedalar na chuva pois a gente não é de açucar”. 

Dica extra para o pós chuva!TOP

Durante os dicas secos, o óleo derramado pelos caminhões e ônibus fica incrustado no asfalto, mas depois de um período constante de chuvas eles começam a escorrer deixando uma mancha colorida. Geralmente depois da chuva, esse óleo fica espalhado na via e isso representa um risco para derrapagens. Ao avistar a mancha, faça o possível para desviar e, se não for possível, reduza ao máximo a velocidade e mantenha o guidom firme sem movimentos bruscos. Jamais acione os freios ao passar por cima da mancha. Ao travar a roda sobre as manchas, as chances de derrapagem aumentam consideravelmente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *