O potencial para o uso comercial de bicicletas de carga.

3

O Ministério dos Transportes da Alemanha publicou um amplo estudo sobre o uso de bicicletas para o transporte comercial. O potencial de bicicletas de carga, para contribuir com um transporte mais amigável e eficiente de mercadorias em áreas urbanas, especialmente no último quilometro, aquele onde o produto vai da loja ao consumidor final e até mesmo dos depósitos para as lojas, ainda é muito subestimado, afirma o secretário alemão Dorothee Bär.

O estudo estima que existam atualmente mais de 50 mil bicicletas de carga em uso na Alemanha, sendo 58% utilizadas para as entregas postais. O potencial calculado foi muito conservador, mesmo assim as 8% de viagens de carga realizadas hoje em bcicicletas, teriam potencial para subir à 23% do total. Os cálculos foram feitos pressupondo que o peso máximo das mercadorias transportadas é de 50 kg e a distância máxima percorrida por dia é de 20 km. Sabemos  que muitas entregas por bicicleta chegam a transportar até 250 kg em triciclos pesados e que alguns ciclcistas chegam a percorrer 80 km em apenas um dia, ou seja o potencial aumentaria muito com valores mais realistas.

Dentro do estudo, exsiste a recomendação da  European Cyclelogistics Federation em se  formar redes de cooperações, a fim de aumentar a visibilidade e a eficiencia. O Ministério alemão também pretende publicar orientações com recomendações para diferentes regiões do país.

CCC (716)

No Rio de Janeiro, uma vez chamado pela consultoria Dinamarquesa Copenhagenize de Cargo Bike Capital, o uso de bicicletas na logística urbana é muito comum, assim como em todo o Brasil e em cidades Latino Americanas. A Transporte Ativo já realizou levantamentos sobre o assunto em 2011 e 2015, trabalhos que renderam prêmios e diversas apresentações em conferências ao redor do mundo. Alguns resultados do potencial por aqui, podem ser vistos no Paper “Os Benefícios dos Veículos de Carga à Propulsão Humana: Cidades Podem Alcançar Menores Emissões e Maior Segurança”.  Apenas no Bairro de Copacabana foram encontradas mais de 700 bicicletas à serviço e empregos diretos, que realizam mais de 10 mil entregas por dia, gerando diversos benefícios, como economia de emissões, de espaço e de ruídos entre outros.

Além do transporte de cargas e bens, as bicicletas de carga servem também como uma extensão ao comércio local, indo mais longe em busca de resultados.

Foto: Fabio Nazareth

O estudo Alemão citado acima, pode ser encontrado, em alemão, aqui “Untersuchung des Einsatzes von Fahrrädern im Wirtschaftsverkehr

Inspirado em texto de Susanne Wrighton
Senior Project Manager at Austrian Mobility Research

Bicicleta na ladeira do senso comum

Foto: ITDP Brasil

Inauguração Ciclovia Avenida Paulista Foto: ITDP Brasil

Promover o uso da bicicleta no Brasil ainda envolve uma série de pequenas ladeiras assentadas no senso comum. O discurso de preservação do meio ambiente e dos benefícios para a saúde são rotineiramente utilizados como ponto de partida para qualquer discussão. O velho clichê de quem pedala vai salvar o mundo e ter mais qualidade de vida.

Essa abordagem funciona em reportagens televisivas e campanhas publicitárias, mas não é elemento decisivo para mudanças de atitude individual e na transformação efetiva da paisagem urbana.

Símbolo de liberdade e ferramenta de transformação urbana

Bicicleta como poster de marca de roupas é a apropriação do veículo como símbolo e certamente traz impacto mental positivo ao tornar cada vez mais as magrelas como figura onipresente no imaginário popular. No entanto, um bicicletário na porta da loja é não apenas a adoção de uma bandeira, mas a valorização efetiva de quem pedala além de encorajar mais pessoas a faze-lo.

O papel da sociedade civil, o que naturalmente inclui a Transporte Ativo, é abraçar as transformações, mesmo as superficiais, e colaborar para aprofundá-las. A mentalidade rodoviarista do século XX ainda resiste e desmontá-la requer ações conjuntas e inteligentes. No âmbito do fortalecimento de políticas públicas, a visão tem de ser ainda mais estrutural.

Nos idos de 2006 fez sucesso o desafio intermodal. Iniciativa de grande apelo midiático e que provou de forma simples o que para quem pedala era apenas o óbvio, que a bicicleta é o veículo mais rápido no congestionado meio urbano. Iniciativa menos formatada ao jornalismo televisivo, o perfil do ciclista brasileiro no entanto apresentou papel similar ao novamente apresentar a quem está longe do selim, o que nos parece óbvio. Dessa vez foi apresentada a informação do uso da bicicleta e sua importância como veículo, em especial para as pessoas mais pobres.

O perfil do ciclista apareceu em mais de 56 notícias, desde blogs especializados ao Jornal Nacional. Uma pequena pedalada para dar visibilidade aos ciclistas e mostrar a importância de encarar com seriedade a urgência de políticas públicas sérias em favor da mobilidade em bicicleta.

Bicicleta na agenda política

Iniciativas como o perfil do ciclista, contagens fotográficas e outras são atalhos possíveis para criar um ambiente favorável para a promoção ao uso da bicicleta. O fornecimento de dados mensuráveis e confiáveis são um caminho fundamental para fortalecer quem já trabalha o mobilidade cicloviária dentro da máquina pública.

As análises e recomendações do ITDP Brasil para São Paulo é uma dessas iniciativa. Já parte do pressuposto que infraestrutura é fundamental e buscar ir além. Promove ao mesmo tempo uma perspectiva favorável em relação à bicicleta e facilita mudanças de comportamento para modos suaves de deslocamento.

São dois eixos principais:

  • identificação do histórico de ações, programas e políticas de mobilidade por bicicleta;
  • análise da rede cicloviária implantada no município de São Paulo.

Conhecer o longo caminho até a adoção da bicicleta como ferramenta de transformação urbana é fundamental para que se possa seguir esse caminho, ultrapassando bandeiras partidárias.

Saiba mais:

De volta para o futuro de utopias

Imagem do livro 'Repaisagem São Paulo' / Marcelo Zocchio - Fujocka

Imagem do livro ‘Repaisagem São Paulo’ / Marcelo Zocchio – Fujocka

O futuro está sempre preso a nossa capacidade de imaginação e esta, reside firme no presente. Talvez a maior dificuldade da arte da ficção científica seja vislumbrar um por vir  menos centrado em avanços tecnológicos cercado de distopias.

A mensagem geral é de que a humanidade é um projeto biológico que falhou. Certamente falhamos, principalmente em nossa capacidade de sonhar com utopias. Mas sempre é tempo de desbravar caminhos.

Para imaginar o futuro de São Paulo

Um futuro inspirado no passado. / Revista Trip - Fujocka

Um futuro inspirado no passado. / Revista TripFujocka

Um projeto quer desencavar rios, primeiro de maneira simbólica, para em seguida promover as modificações físicas necessárias. A cidade deve voltar a ser azul, da cor da água de seus mais 300 km de rios espalhados por mais de 4.000 km de extensão.

A premissa é simples, é preciso ver para cuidar. Mas antes mesmo de ver, é preciso imaginar e aí entram as utopias. Uma utopia com mais natureza, árvores urbanas, permacultura, criatividade, convivência, espaço público.

Felizmente pequenas ações já podem nos ajudar a definir caminhos e sonhar com paraísos terrenos. A promoção ao uso da bicicleta e o cicloativismo é um desses caminhos, as hortas urbanas e todo uma organização em torno do trabalho que não está centrado no dinheiro, mas na dedicação voluntária pela transformação do entorno. Ao mesmo tempo, até na Fernando de Noronha já está com bicicletas em seu território. Foi o arquipélago brasileiro que inspirou Thomas More a conceber sua ficção “Sobre o melhor estado de uma república e sobre a nova ilha Utopia”, conhecida simplesmente como Utopia.

Valores desastrosos, escolhas equivocadas e mau comportamento são características que podem levar sociedades ao colapso, histórias de fracassos e sucessos ao longo do tempo ajudam a rever o passado com uma noção clara da importância das encruzilhadas de escolhas com as quais nos deparamos diariamente.

Mobilizar a comunidade local para agir em uma praça, redecorar uma esquina ou redesenhar espaços públicos e parte fundamental para que os não-lugares de nosso presente quase distópico tornem-se no futuro a realização de sonhos.

Saiba mais:

Cidade Azul (ajude a financiar no Catarse)
City Repair Project: Portland Gems and Growing Pains
Começa o projeto Bike Noronha, a ilha tem bicicletas públicas com uso grátis

Livros:

Colapso – Jared Diamond
Nowtopia – Chris Carlsson

O futuro chegou

skate-voador

No Brasil ainda estamos superando o carnaval, mas é sempre bom lembrar que, mundo afora, a festa de Momo não tem espaço nas ruas ou nas mentes. Natural portanto que surjam novidades que irão dominar o mundo e apontar o futuro quando por aqui ainda estamos em meio a blocos e desfiles carnavalescos.

Abaixo um vídeo com a lenda viva do skate Tony Hawk e outros nomes das artes e da música em que é apresentado o skate flutuante do filme “De Volta para o Futuro II”.

Um olhar atento já percebe que o “produto” é claramente uma encenação, o que faz com que seja esperada alguma explicação posterior sobre os motivos de tal campanha na internet. É interessante no entanto pensar o que era o futuro de 30 anos atrás em relação ao presente que temos hoje. Afinal, a categoria de “ficção científica” é sempre um retrato perfeito do presente com eventuais antecipações sobre a realidade que está por vir.

O mundo dos anos 1980 tinha ainda mais fé no tal “progresso tecnológico” do que ainda temos hoje. O discurso de que vivemos em um planeta de recursos naturais finitos ainda está fora do senso comum e as pessoas realmente acreditavam na remota possibilidade da ultra-tecnologia na casa de todos. Talvez não com carros e skates voadores em meio a paisagem urbana, mas certamente numa onipresença da tecnologia.

Muita coisa mudou nos últimos 30 anos, mas continuamos sendo humanos, com necessidades humanas. Respirar, acesso a água e comida, abrigo, amor etc. Talvez nessa sanha pelas mais complexas soluções dependentes de tecnologia, esquecemos que somos apenas animais que habitam um ecossistema planetário. Em sua maioria vivendo dentro de gigantescas colméias de concreto. Felizmente o futuro da desumanização começa a ceder espaço, no presente, para tecnologias métodos e meios de vida mais humanizados.

O futuro talvez nos traga algo muito mais especial que skates voadores, televisores com ultra interatividade e chamadas em vídeo. Hoje conseguimos imaginar um tempo com mais participação cidadã e por isso mais democrático. Um futuro em que as necessidades dos mais frágeis (nas ruas e no mundo) sejam respeitadas e assim todos possam ter de volta a garantia de abrigo e segurança que ficou esquecida em nome do espaço que tecnologias sonhadas em pleno século XX e que não se mostraram de grande valor nesse novo milênio.

===
Um poucos mais sobre essa trollada midiática do skate:
Why Are All These Celebrities Participating In An Epic Fake Hoverboard Troll?

Mas para imaginar um outro futuro, vale a leitura do Nowtopia.

Bicicleta, cerveja e simplicidade

bt24cover

Refletir sobre o passado é função de historiadores e um trabalho árduo de reinterpretar o que já foi sob a luz atual.

Talvez mais difícil seja definir tendências e entender o tempo presente. Inglória e necessária tarefa. A bicicleta está entre as “tendências” atuais, mas para ampliar o entendimento sobre onde o renascimento da bicicleta está, é preciso ir um pouco além. Olhar para os lados em busca de uma perspectiva sobre o que está por vir e o que marcará no futuro o período que vivemos no presente.

Cabe destacar portanto o retorno a atitudes de maior cuidado entre pessoas, de valorização dos trabalhos e esforços simples e revigorantes. Desde a defesa do parto natural, a valorização da produção orgânica de alimentos, até a fabricação de cervejas artesanais.

O parto, e a medicina ocidental em geral, acabaram se tornando reféns do próprio sucesso e criaram padrões que tiraram por completo o protagonismo da mulher e transformaram o ato fisiológico de parir em um procedimento cirúrgico.

Já a valorização da produção de alimentos livres de agrotóxicos, a chamada agricultura orgânica, é uma resposta à onipresença de venenos tóxicos e práticas ambientalmente agressivas em tudo que comemos.

Com menos ativismo, mas com grandes paixão, está presente o fenômeno da produção artesanal de cerveja. Um “alimento recreativo” por excelência, essa bebida milenar é hoje produzida em larga escala e com baixa qualidade pela indústria. A resposta portanto é buscar fazer em casa, com ingredientes frescos receitas mais vivas e encorpadas.

São apenas três atitudes de grupos (por hora) minoritários, que ajudam a vislumbrar um horizonte positivo para a vida humana em todos os aspectos.

Uma medicina que dê mais protagonismo à mulher e atenção desde o começo da vida de quem nasce é certamente um passo certo no caminho de práticas médicas mais voltadas ao bem estar humano e menos à venda de remédios e soluções ultraprocessadas e industrializadas.

Dá mesma forma a agricultura orgânica e sua defesa da produção de alimentos mais nutritivos e menos agressivos como o meio ambiente é um passo certo na direção de um planeta de pessoas mais bem nutridas em que a vida humana não inviabilize os sistemas naturais.

Por fim, quanto mais pessoas engajadas em produzir seus alimentos (sejam eles “recreativos” ou não), mais atenção à importância de sabores e delícias menos pasteurizadas. Seja o pão fresquinho feito na cozinha de casa, ao processo complexo de preparar a própria receita de cerveja.

Cada um desses processos são apenas tendências de comportamento. Vistos de maneira conjunta no entanto, permitem enxergar um mundo com mais cuidado e harmonia entre as pessoas, as formas de produção e o ambiente em que vivemos.

Natural portanto escolher como imagem desse post a capa da revista Bicycle Times que traz produtores de cerveja carregando sua produção e os ingredientes, além é claro de uma mãe e seus filhos.

A reportagem: “Famílias urbanas preferem vida simples a facilidades modernas” mostra um pouco da prática cotidiana de pessoas que vivem mais em acordo com tendências de um mundo melhor.

Como mostram as aspas ao final da reportagem:

“A simplicidade é o valor mais urgente do nosso tempo. Eu me recuso a acreditar que o ser humano autêntico é esse ser humano da correria. É esse ser humano dos milhões de compromissos, cheio de dependências das coisas exteriores.”