Pedalar é a cidade em cores

Mundo afora existem cores que não enxergamos, paisagens invisíveis. Pedalar tem um pouco da arte de descobrir o que antes era desconhecido. A publicidade acima é perfeita em ilustrar o lado maravilhoso da rotina do ciclista urbano.

Um olhar mais atento é capaz até de vislumbrar na realidade de nossas grandes cidades o que a animação publicitária ilustra. Em meio a tantos veículos motorizados, grandes e barulhentos, pode parecer difícil imaginar a existência de ciclistas. Mas eles estão circulando, basta ficar atento. Há os que optem por circular pelas calçadas para compartilhar o espaço com os pedestres. Existem muitos circulando por vias arborizadas, longe das grandes e congestionadas avenidas. Tem bicicleta rodando ali pelo canto daquela ponte. E tem também muito ciclista que espera a semana toda para ganhar as ruas aos sábados e domingos.

A cidade não tem manual de instruções, nem procedimento técnico capaz de defini-la. Mas para alcançar um pouco mais de felicidade urbana, é preciso antes de mais nada praticar felicidade. Primeiro através do olhar, em seguida, trabalhando corpo e mente em cima de uma bicicleta.

Pedalar é para qualquer idade

[photopress:avc3b4_2.jpg,full,pp_image]

Foto: Denir Mendes Miranda – A bicicleta do meu avô

Pedalar é atividade sem limite de idade, enquanto houver força para os pedais e equilíbrio qualquer pessoa poderá seguir em bicicleta. Mas os que pedalam há mais tempo trazem consigo uma lição aos mais novos, aquele exemplo que inspira e molda novos ciclistas.

Toda criança sonha em pedalar a bicicleta do avô, aquele objeto especial que é símbolo de liberdade. Uma bicicleta de adulto, grande e robusta que leva uma criança mais longe. Nas palavras do neto Denir Miranda:

Lembro da bicicleta Philips, pesadíssima, com um selim de couro com franjas, e uma placa ovalada azul escuro com letras e números brancos. Agora me recordo: conseguir a chave da dispensa e obter autorização para pedalar era um prêmio inigualável!

E pelo mundo afora, muitos seguem pedalando, sem dar importância à data de nascimento.

Por mais pesssoas em mais bicicletas mais vezes, sem limite de idade.

Mais da história do avô do Denir: A bicicleta do meu avô

Vida em movimento

Talvez por conta das endorfinas, talvez pela sensação de liberdade, a bicicleta atrai o ciclista para pedalar sempre mais. Em nome desse prazer, que passa de pai pra filho, que não se explica bem em palavras, que o canadense Guillaume Blanchet fez esse vídeo acima. A maneira mais literal do que é viver em cima de uma bicicleta.

365 dias na vida de uma bicicleta

Uma agência de comunicação em Nova Iorque conduziu um experimento curioso durante o ano de 2011, prenderam uma bicicleta toda equipada em um bicicletário ao ar livre no bairro do SoHo. Depois, uma foto por dia que mostraram o lento desaparecimento da bicicleta.

Uma imagem bonita e triste, mas que ilustra a bicicleta parada e seu valor maior, o potencial de movimento e de uso. As peças dispersas alimentaram o comércio de peças roubadas, ainda que de valor muito baixo. Mas o vídeo faz lembrar daquela bicicleta parada, que só acumula poeira e poderia servir ao nobre propósito de circulação.

Vale nos mirarmos no que é bonito do vídeo e devolver a circulação uma bicicleta ou peças paradas.